A Energia Heliotérmica no Brasil


O Sol é a fonte de energia com maior potencial para suprir a crescente demanda energética em todo o mundo; e será a maior fonte mundial de eletricidade até 2050, estima a Agencia Internacional de Energia.

A tecnologia heliotérmica, uma das mais promissoras formas de aproveitamento da força do Sol, é o processo de geração indireta de eletricidade a partir dos raios solares. Indireta porque, antes de virar energia elétrica, o calor do sol é captado e armazenado para, depois, ser transformado em energia mecânica e, por fim, em eletricidade.

O processo heliotérmico está baseado na reflexão dos raios solares utilizando um sistema de espelhos. Ao acompanhar a posição do Sol ao longo do dia, esses espelhos refletem os raios para um receptor de calor. Em seguida, a energia térmica é transferida para um líquido, que se mantém em alta temperatura para transformar água em vapor.


A partir daí, a usina heliotérmica segue os mesmos processos de uma usina convencional, como as a gás, carvão ou nucleares: o vapor gerado movimenta uma turbina e aciona um gerador, produzindo, assim, energia elétrica. A diferença é que, numa usina termoelétrica convencional, o vapor é gerado pela queima de combustíveis fósseis, enquanto numa usina heliotérmica, ele é obtido do calor gerado pela concentração dos raios solares. Há ainda a possibilidade de armazenar energia em forma de calor, sendo possível, assim, gerar energia elétrica mesmo em dias nublados ou durante a noite. 

As regiões com baixa presença de nuvens, altos níveis de radiação solar e terrenos planos caracterizam o cenário ideal para a implantação de um projeto heliotérmico. O Brasil é, portanto, um país com rico potencial, principalmente na região Nordeste e em parte das regiões Centro-Oeste e Sudeste. Além disso, a instalação de uma usina heliotérmica em áreas áridas promove o desenvolvimento da região, cria postos de trabalho diretos na construção e manutenção da planta heliotérmica e postos indiretos nas indústrias fornecedoras para o novo mercado.

Veja o vídeo:

Postar um comentário

0 Comentários