Janelas solares: o futuro das construções ecológicas?


Um grupo industrial britânico está trabalhando em uma nova geração de tecnologia de painel solar transparente que corresponde aos custos e desempenho dos vidros de alto desempenho padrão, fornecendo energia limpa e renovável para os edifícios em que estão instalados. O desenvolvedor Polysolar está colaborando com a gigante química Merck e o Centro de Processo de Inovação (CPI), para promover uma nova era de edifícios com emissão zero de carbono.

Edifícios já não terão que comprometer a transparência das janelas quando instalarem painéis solares. A Polysolar, com sede em Cambridge, tem uma visão clara para o futuro da energia solar, e lançou um substituto para vidros das janelas de vidro tradicionais que também produzem energia limpa e renovável.

O vidro fotovoltaico usa o mesmo princípio básico dos painéis solares que você vê em telhados, mas é transparente. A tecnologia utilizada é conhecida comothin-film (filme fino), que significa simplesmente que a camada fotovoltaica ativa aplicada é muito fina. Ao contrário dos painéis solares convencionais, onde mono cristais de silício são cultivados e cortados em wafers, a tecnologia de película fina deposita à vácuo um filme sobre uma camada de vidro conduzida.

A vantagem do elemento de impressão é que qualquer tamanho, forma e variação do vidro que um cliente deseja pode ser produzido.

Há muitos benefícios de usar vidro fotovoltaico ao invés de painéis tradicionais, além de se poder ver através deles. Funciona em níveis mais baixos de luz, por isso vai funcionar em menos de 10% da luz solar. Isso não muda a sua eficiência, dependendo da quantidade de luz que está recebendo.

Isto significa que estes painéis podem ser colocados em locais onde outros não funcionam normalmente, como em fachadas verticais em qualquer lado de um edifício. Luz ambiente e reflexiva são todas absorvidas, de modo que a posição dos painéis não é tão fundamental como é para painéis originais que têm de absorver tanta luz solar direta quanto for possível.

Além disso, quando um painel é sombreado, os outros não são afetados, o que pode ser o caso quando há lotes de painéis solares em conjunto em uma série de string.

Cada painel produz de 60 a 70 watts por metro quadrado, por isso edifícios com grandes áreas de superfície vão produzir muito mais energia do que aqueles com superfície reduzida. A quantidade de energia produzida irá variar muito, dependendo da forma de construção e a posição, mas níveis significativos foram atingidos na maioria dos estudos de caso.

O principal objetivo no momento é torná-los tão fácil de instalar e tão barato como vidro convencional.

Se este vidro custar o mesmo que um painel regular, não haveria nenhuma razão para não usá-lo em futuros desenvolvimentos, especialmente se os custos de energia forem reduzidos a longo prazo.

Fonte: Power Tecnology

Postar um comentário

0 Comentários