Conheça 4 países que estão inovando em energias renováveis

A energia renovável está finalmente começando a decolar pra valer ao redor do mundo, especialmente após os países em desenvolvimento começarem a notar (e usufruir) de seu potencial. Existem muitas razões para isso, mas uma das principais é que estes países estão localizados em regiões do mundo que cada vez mais sofrem com as grandes mudanças climáticas. Outra razão importante é o interesse na segurança energética, como uma forma de diminuir a necessidade de importar energia de outros lugares, principalmente quando esses locais sofrem com um ambiente sócio-político instável e contra o esgotamento de fontes de energia convencional.
Dubai
Dubai é uma das cidades mais densamente povoadas nos Emirados Árabes Unidos e é cada vez mais conhecida por seu papel de liderança no desenvolvimento da energia solar em particular. Em abril deste ano, Dubai anunciou o início da sua terceira fase de instalação solar, a fim de atingir sua meta de energia limpa até 2021. O departamento de Eletricidade e Água de Dubai tem o objetivo de aumentar a utilização de energia renovável para 7% da demanda nacional de eletricidade até 2020 e 15% até 2030 onde o foco principal é o Parque solar Mohammad bin Rashid Al Maktoum, com conclusão prevista para abril de 2017. Este é um dos maiores projetos de energia renovável no MENA (Oriente Médio e Norte da África) e o projeto teve sua capacidade recentemente elevada de 100 MW para 200 MW, após duas das empresas que participaram de sua licitação terem se unido para efetuar o projeto.
Dubai também está investindo em sua “Estratégia energética integrada Dubai 2030” que possui o objetivo de diversificar as fontes de energia, que pretende atingir 15%  de energia solar, 71% de gás natural, 7% de carvão limpo e 7% de energia nuclear. Além da redução do consumo de energia em 30% até 2030.
Os Emirados Árabes Unidos tem a intenção de equipar 30.000 edifícios com sistemas que economizam energia e introduzir novos incentivos fiscais para estimular o aquecimento e energia solar. A expectativa é que Dubai se torne a primeira “cidade inteligente” do mundo onde todo o consumo de energia é monitorado e controlado.
China
Em 2013, a China alcançou uma capacidade total de 378 GW de produção de energia renovável, principalmente através de energia hidroeléctrica e eólica. O país tem sido fortemente criticado por seu consumo de carvão, mas em 2014 foi líder mundial em energia eólica, energia solar fotovoltaica e tecnologia smart grid. A produção de células solares fotovoltaicos aumentou 100 vezes desde 2005, permitindo assim que o custo global da energia solar caísse 70% através da criação de um mercado global em massa. De acordo com o chefe da Agência Internacional de Energia, Marie van der Hoeven, a China está gastando mais em desenvolvimento de energia renovável do que os EUA e a Europa juntos. A geração de energia a partir de turbinas eólicas na China acabou de alcançar 25% do consumo do país. Ainda assim, infelizmente a China continua construindo usinas eléctricas a carvão, mas elas são “top de linha”. No ano passado, o país anunciou que suas emissões de carbono provenientes da queima de carvão caiu 1%.
Índia
O desenvolvimento de energia renovável na Índia está sendo conduzido pelo Ministério de Energias Novas e Renováveis do país. Ele alcançou 33,8 GW de capacidade instalada de energia renovável em fevereiro de 2014, dos quais 66% foram gerados a partir de energia eólica. Solar, biomassa e pequenas usinas hidrelétricas contribuiram com mais 4,59%. Entre 2014-2015, a Índia acrescentou 4.089 MW à sua produção, 8,5% a mais que sua meta original de 3.770 MW. Aumentando sua capacidade total de energia renovável para 35,77 GW
O Primeiro-Ministro indiano Narendra Modi está tentando aumentar agressivamente a produção com uma meta de 100 GW de capacidade solar até 2022, representando um aumento de cinco vezes da meta na Índia, originalmente de 20 GW. Embora o país ainda não tenha explicado de que modo pretende alcançar este objetivo, especialistas acreditam que investimentos estrangeiros irão desempenhar um papel fundamental no plano.
África do Sul
De acordo com o Departamento de Energia do país, a África do Sul tem potenciais fontes de energia renováveis ​​elevados que lhe permitam gerar 3.725 MW até 2030 no âmbito do seu Programa de Aquisição de Produtores Independentes de Energia Renovável. A África do Sul é atualmente ainda muito dependente de combustíveis fósseis, mas as usinas solares, eólicas e de biomassa estão sendo instaladas em todo o país. Destas tecnologias, a energia eólica parece ser a de mais rápido crescimento. O ministro Sul Africano de energia, Tina Joemat-Pettersson, anunciou recentemente que o país adicionou um total de 4,322MW à sua capacidade de energia renovável em menos de quatro anos, a um custo muito mais baixo do que a geração de combustível fóssil.
Os desenvolvimentos recentes no país incluíram a finalização de uma fábrica de turbinas eólicas de 3 milhões de dólares. A fábrica ocupa uma área de 12.000 metros quadrados e vai empregar 200 pessoas construindo 150 turbinas eólicas por ano. Enquanto isso o Bloomberg acaba de comunicar que o país economizou cerca de 310 milhões de dólares em custos de combustível devido a projetos de energias renováveis, incluindo 800 MW de energia eólica e 1 GW de energia solar fotovoltaica.

Postar um comentário

0 Comentários