Novos investidores se unem à Scatec Solar para desenvolver o projeto solar de 100 MW Nova Scotia na Nigéria

A Scatec Solar assinou um Acordo de Desenvolvimento Conjunto (JDA) com Africa50, um Fundo Africano de Infraestrutura patrocinado pelo Banco Africano de Desenvolvimento e mais de 20 Estados africanos e Norfund (Fundo de Investimento Norueguês para Países em Desenvolvimento), garantindo o investimento no 100 MW (DC) Nova Scotia Usina localizada em Dutse no estado de Jigawa, no norte da Nigéria. O projeto tem o potencial de contribuir significativamente para o plano das autoridades de Jigwa de atrair US $ 2 bilhões de investimentos em Jigawa e implementar os planos do presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, de fornecer empregos e oportunidades econômicas especialmente para a juventude do país.

A cerimônia de assinatura da ADC foi realizada na presença de Børge Brende, o ministro das Relações Exteriores norueguês em visita, Sua Excelência o barril Ibrahim Hassan Hadejia, vice-governador do Estado de Jigawa, bem como funcionários do Comércio de Eletricidade a Granel da Nigéria, entre outros. A nova capacidade local de geração de energia é um elemento-chave para atrair investimentos consideráveis ​​para o Estado e a região, especialmente para novas indústrias, como manufatura leve e processamento agrícola ”, disse Sua Excelência o vice-governador.

- A formação deste consórcio é um forte símbolo do compromisso norueguês e nigeriano de investir em energia limpa na Nigéria. Com o governo da Noruega assumindo uma função de investimento direto através da Norfund, significativa participação regional e nigeriana através da Africa50, e o histórico da Scatec Solar, isso oferece uma das parcerias mais sólidas para projetos de energia solar fotovoltaica globalmente ”, disse o vice-presidente executivo Terje. Pilskog que assinou o JDA em nome da Scatec Solar.

- Estou satisfeito pelo facto de a Africa50 já fazer o seu primeiro investimento, que se enquadra perfeitamente na nossa prioridade de iluminar e potenciar a África ”, afirmou o Dr. Akinwumi Adesina, Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB) e Presidente do Conselho de Administração da Africa50. . A África50 foi criada por governos africanos, incluindo a Nigéria, o Banco Africano de Desenvolvimento e investidores institucionais para mobilizar o setor privado para financiar projetos de infraestrutura na África. Alain Ebobisse, CEO da Africa50 observou: “O acesso a energia confiável é uma das necessidades mais críticas da África, inclusive na Nigéria, onde é uma prioridade do governo. Estou ansioso para aprofundar o relacionamento com as autoridades da Nigéria, um dos nossos principais acionistas, e para apoiar mais projetos neste e em outros setores de infra-estrutura. ”

Além dos três investidores em ações, espera-se que a American Overseas Private Investment Corporation (OPIC), o Islamic Development Bank e o African Development Bank sejam provedores de dívida sênior para o projeto. As instituições financeiras internacionais dizem que a chave para o investimento bem-sucedido é a questão do estado nigeriano de documentos de projetos que fornecem a confiança necessária dos investidores e a formulação de um roteiro claro para a sustentabilidade no setor de energia.


Com um investimento estimado em US $ 150 milhões, uma produção de 200.000 MWh de eletricidade por ano e 120.000 toneladas de emissões de CO2 evitadas anualmente, a usina solar da Nova Escócia ajudará a Nigéria a aumentar rapidamente sua capacidade de geração, oferecer oportunidades econômicas e combater a desertificação causada pelo clima mudar e contribuir para o cumprimento dos compromissos do Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, no sentido de desenvolver energias renováveis ​​como parte do Acordo de Paris sobre Alterações Climáticas.

Em julho, o projeto da Nova Escócia assinou um contrato de 20 anos com a Nigerian Bulk Electricity Trading (NBET). Localizado em 200 hectares de terra, o projeto tem fortes fundamentos com altos recursos solares e acesso direto à rede de transmissão por meio de uma simples rota de conexão. O consórcio continuará a trabalhar com a CDIL, uma empresa canadense de desenvolvimento de energia renovável focada na África, e a BPS, consultoria estratégica da Nigéria, para mover o projeto do “pipeline” e alcançar fechamento financeiro em 2017 e operações comerciais em 2018.

A Nigéria é a maior e a 26ª maior economia da África . Com o consumo de eletricidade per capita da Nigéria em 155 kwh, um dos mais baixos do mundo, há uma enorme necessidade de aumentar a produção de energia para expandir e diversificar a economia nigeriana.

Postar um comentário

0 Comentários