Primeira estrada solar do mundo é inaugurada na França


A pequena cidade francesa de Tourouvre-au-Perche com cerca de 5.000 residentes, localizada na região da Normandia, foi contemplada com um quilometro de placas fotovoltaicas em uma de suas rodovias que recebe cerca de dois mil carros diariamente. Apesar de ser um trecho pequeno, a estrada que é coberto, com cerca de 2.800 metros quadrados de painéis de geração de energia elétrica.

A Wattway foi inaugurada pela ministra do Meio Ambiente da França Ségolène Royal e tem o objetivo de produzir, aproximadamente, 767 kWh por dia, que será usado para garantir a iluminação local. No verão a quantidade de energia gerada poderá ter picos de até 1.500 kWh. Por ano, a expectativa é produzir 280 MWh, energia suficiente para abastecer a iluminação pública da pequena cidade. Para maior durabilidade, os painéis são revestidos com uma película fina de silício o que protege também de veículos pesados como caminhões.

A ideia é usar estruturas que já existem, como vias públicas e estacionamentos, para a instalação dos painéis solares, para que não seja necessário ocupar novos espaços. Este conceito já está sendo explorado em outros países como Alemanha, Holanda e Estados Unidos, partindo da ideia de que as estradas fiquem ocupadas 20% do tempo, o que oferece vastas extensões de superfícies para absorção da radiação solar.

A União Europeia tem 10,5 milhões de quilômetros de estradas – 650 mil quilômetros somente na Alemanha, são vários quilômetros que poderiam ser utilizados para gerar eletricidade. Apesar disso, nem todas as vias são ideais para o emprego do sistema fotovoltaico. Por exemplo, rodovias de tráfego intenso não oferecem condições ideais, porque os carros acabam cobrindo a superfície, evitando que células fotovoltaicas captem a luz do sol.

Na Alemanha, tal inovação energética está sendo testada em um trecho de 150 metros perto da cidade de Colônia, no oeste do país. Nos Estados Unidos, o estado do Missouri trabalha na instalação de painéis numa pequena área perto da famosa Route 66, a estrada que atravessa o país.


O projeto ainda é criticado por especialistas que apontam também que os painéis se tornam mais eficientes quando colocados inclinados, em um ângulo direcionado ao Sol, diferentemente do que acontece na estrada onde estão dispostos em forma plana, o que tem gerado discussão sobre a viabilidade do projeto. Mesmo assim, a “Estrada Solar” continua em fase de testes e a expectativa é de que nos próximos dois anos, possa gerar energia o suficiente para abastecer a cidade.

Apesar disso, a tecnologia ainda é cara, chegando a custar cerca de 13 vezes mais do que um painel solar comum. O projeto francês custou cerca de 5,2 milhões de euros, o que gerou muitas críticas sobre o investimento do dinheiro público, entretanto, a expectativa dos responsáveis pelo projeto é de que mais sistemas como esse sejam adotados na França para que se possa reduzir o preço dos painéis e popularizar o incentivo ao uso de energias renováveis.

Postar um comentário

0 Comentários