Energia verde e digital para todos


Para garantir o acesso universal à energia até 2030, é necessário um plano de ação mais rápido e eficaz . Nos últimos dois anos, o progresso alcançado para alcançar o SDG7, o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU, que visa assegurar que toda a população mundial possa ter acesso a energia acessível, confiável, sustentável e moderna, não foi suficiente.

De acordo com o Global Tracking Framework , o estudo realizado pelo Banco Mundial e pela IEA (Agência Internacional de Energia) em colaboração com o Centro de Conhecimento Energia Sustentável para Todos, 9% da população mundial ainda não terá acesso à eletricidade até 2030 .

O relatório foi apresentado no dia 3 de abril, em Nova York, por Rachel Kyte , CEO da Sustainable Energy for All e Representante Especial do Secretário Geral das Nações Unidas, na abertura do evento de três dias SEforALLForum 2017. O evento também contou com a presença do CEO da Enel, Francesco Starace .


“Esses números são um alerta para os líderes mundiais adotarem um plano de ação sobre o acesso à energia, promovendo a eficiência energética e o uso de fontes de energia renováveis”, enfatizou Kyte.
“Nós nos comprometemos a agir, e cada dia de atraso se torna mais doloroso e mais caro. Precisamos construir um caminho, precisamos contar essa história. Energia sustentável para todos significa dignidade para todos ” - Rachel Kyte, CEO da Sustainable Energy for All

Digitalização e renováveis ​​para energia possível

A eficiência energética oferece uma das maiores oportunidades para garantir o acesso a energia confiável, sustentável e justa, tanto nos países desenvolvidos quanto nos países em rápido crescimento. O objetivo é apoiar uma transição energética para modelos que dependam da descarbonização e eficiência, reduzindo o desperdício e aumentando o uso de renováveis.

A eletrificação e, portanto, o uso da eletricidade como vetor privilegiado também no transporte e em todos os usos finais de energia, juntamente com o desenvolvimento de fontes renováveis ​​e a digitalização de redes e usinas elétricas, são os pilares que impulsionam a estratégia de crescimento da Enel. , em 2015, assumiu um compromisso formal para alcançar o SDG7.


“Há 6 ou 7 anos, começamos a desenvolver nosso pipeline de energias renováveis ​​de diferentes tecnologias, solar, eólica, hidráulica e geo, e, ao fazer isso, tentamos evitar incentivos e subsídios”, explicou Starace falando no Fórum. Ele acrescentou: “Agora estamos basicamente adicionando mais de 2.000 MW de nova capacidade verde a cada ano em todo o mundo. À medida que sairmos da térmica e entrarmos em fase de energias renováveis, vamos descarbonizar progressivamente. No final do período, teremos um mix de geração completamente diferente do que hoje ”.

“Para conseguir atingir a meta de descarbonização completa da geração, o fator discriminante real é a digitalização das redes” - Francesco Starace, CEO da Enel

A digitalização favorece uma maior penetração das energias renováveis: redes inteligentes, medidores inteligentes, Big Data, sensores e a Internet das coisas nos permitem não apenas prever a produção diária de fontes como a solar e a eólica, mas também estimar a demanda de energia e equilibrar oferta e procura.

Levar a tecnologia digital à produção de energia e às redes significa encorajar o desenvolvimento de cidades inteligentes, o uso eficiente da energia nos espaços urbanos e a mobilidade elétrica.


Starace também explicou que ao espalhar medidores inteligentes e medidores digitais e sistemas de controle digital , os usuários finais também se tornarão um fator-chave de eficiência, já que o gerenciamento de energia será cada vez mais inteligente. Graças aos medidores de última geração, é possível oferecer serviços inovadores e colocar energia nas mãos de clientes que podem - por meio de aplicativos e dispositivos inteligentes - programar e gerenciar o consumo remotamente.
O acordo do Acelerador de Eletrificação

No âmbito do fórum de Nova York, a fim de apoiar e acelerar a realização da meta de desenvolvimento sustentável da ONU # 7 (SDG7), a Enel e a Sustainable Energy for All das Nações Unidas assinaram um acordo de parceria para criar um "Acelerador de Eletrificação " . "

A iniciativa levará a Enel a liderar um grupo de trabalho para incentivar a eletrificação, capaz de apoiar o acesso a serviços de energia disponíveis, confiáveis ​​e modernos em nível global.

Rachel Kyte, CEO da Sustainable Energy for All e Francesco Starace, CEO da Enel

“A Enel fornecerá ao Secretário-Geral da ONU e à SEforALL sua experiência, liderando o desenvolvimento de micro-redes, mobilidade sustentável e redes digitalizadas” - Francesco Starace, CEO da Enel

Nesse cenário, Paul Simons , vice-diretor executivo da Agência Internacional de Energia (AIE), falando no painel “Marshalling the Evidence”, destacou que um dos grandes desafios para os governos, serviços públicos e indústria é a “descarbonização da eletricidade”. com foco em novas tecnologias capazes de equilibrar, possibilitar e disseminar o uso de energias renováveis. Uma condição prévia é ampliar o horizonte de eficiência energética no setor de transportes, com o objetivo de reduzir as emissões de fontes fósseis.

“A eletrificação da frota global de carros é a chave para a descarbonização do transporte” - Paul Simons, diretor executivo adjunto da Agência Internacional de Energia

Postar um comentário

0 Comentários