Bilionário desliza ao redor do mundo com um avião movido a energia solar

Viktor Vekselberg (Foto: Bloomberg)
O magnata russo Viktor Vekselberg e seu Grupo Renova planejam uma iniciativa para quebrar um recorde, percorrendo o mundo em um avião sem escalas usando apenas a energia do sol.

Depois de acumular uma fortuna de US$ 15.000 milhões petróleo extrair, Viktor Vekselberg irá utilizar a energia solar em uma tentativa de ganhar um lugar na história.

O magnata russo e seu Grupo Renova planejam uma iniciativa para quebrar um recorde, percorrendo o mundo em um avião sem escalas usando apenas a energia do sol. Se tudo correr bem, um único piloto voará por cinco dias consecutivos em altitudes de até 16 quilômetros, cerca de um terço acima dos aviões comerciais.

Não é um mero truque de publicidade. O avião sem motor de 36 metros testará tecnologias que serão usadas para construir novas gerações de aeronaves autônomas para uso militar e comercial, dizem especialistas do setor aeroespacial.

Eles voarão continuamente, terão muito mais alcance e controle do que os satélites e expandirão as capacidades de transmissão, comunicação e espionagem para todo o planeta.

Em tentativas anteriores, vários vôos foram feitos. A Swiss Solar Impulse, juntamente com parceiros como Google, Dassault Aviation SA e ABB Ltd., fez 17 paradas para percorrer o mundo no ano passado.

"Nosso vôo deve mostrar que é possível fazer vôos de longa distância com energia solar", disse Mikhail Lifshitz, diretor de desenvolvimento de ativos de alta tecnologia da Renova e instrutor de piloto certificado. Um avião de teste que fará o "laboratório voador" estará pronto até o final do ano, disse Lifshitz em uma entrevista.

O avião da Renova utilizará os chamados "supercapacitores", que na prática são baterias muito eficientes, para movimentar suas hélices e armazenar a eletricidade gerada com painéis solares montados sobre e sob o avião.

Os painéis vão aproveitar a luz direta e difusa, que lhes permitirá absorver energia diretamente do sol e dos raios refletidos nas nuvens.

À noite, o avião preservará a eletricidade baixando a altitude e subirá novamente quando o sol nascer.

"Esta proposta em particular é muito oportuna porque a tecnologia já existe", disse David Baker, veterano de 25 anos na Nasa e atualmente editor da revista Spaceflight da British Interplanetary Society. "Você só precisa dos investimentos e do dinheiro para montar tudo."

Há um crescente fervor para o setor aeroespacial entre os investidores como Richard Branson, com sua Virgin Galactic Ltd., and Space Exploration Technologies Corp., outra empresa bilionário Elon Musk, enquanto os avanços científicos transformar delírios de grandeza em propostas comerciais. O próprio Branson é famoso por acrobacias amplamente divulgadas, como suas tentativas de circunavegar o globo em um balão.

"Naturalmente, as forças armadas estão interessadas nisso para interceptação e telecomunicações de longo prazo", disse Baker. "Há muitos mitos de Hollywood sobre o que os satélites podem fazer - você não pode pegar um satélite imediatamente e movê-lo para se concentrar em ouvir possíveis terroristas por seis dias."

A iniciativa de enviar um piloto ao redor do mundo em 2019 testará essas tecnologias e buscará incentivar mais inovação, bem como estimular a opinião pública e os potenciais investidores.

"As pessoas estão interessadas em coisas que envolvem pessoas", disse Baker. "Se este fosse um dispositivo não-tripulado raro, não receberia tanta atenção, é o fator Branson."

Comentários