Cobertura fotovoltaica se destaca em novo prédio da União Europe


A União Europeia, foi criada em 1992 em Maastricht, na Holanda. O bloco composto por 27 países, é o bloco econômico mais completo do mundo pois já atingiu as 4 fases: zona de livre comércio, união aduaneira, mercado comum e união política e monetária. Fazer parte da União Europeia implica em uma série de pré-requisitos, como por exemplo, a existência de uma economia de mercado livre, de uma democracia estável e de um Estado de Direito, bem como a aceitação de toda a legislação e regulamentação europeias.


Com sede em Bruxelas, a união europeia expandiu seu número de membros a partir dos anos 2000, com a entrada de novos representantes e, para atender a demanda, foi decidido pelos dirigentes do bloco em 2004, que a sede da união europeia deveria ser expandida, dando início a construção do Edifício Europa. O projeto inovador mantém a parte histórica do prédio, integrando-o na construção, o prédio que antes tinha formato em L, ganham duas novas paredes, transformando-o em um cubo, ligando os dois prédios por passarelas.

Na parte histórica do edifício, se encontram o gabinete do Presidente do Conselho Europeu e de todas as delegações nacionais, já a nova construção em forma de lanterna, possui 12 pavimentos elípticos, que formam um bulbo, e é onde se localiza os ele abriga escritórios, restaurantes, salas de imprensa, de reuniões e de conferência, onde são realizadas as cimeiras da UE, cimeiras multilaterais e reuniões ministeriais.

Construído de acordo com o conselho de desenvolvimento sustentável, o projeto foi vencedor do Green Golden Design Award de 2009, concedido pelo Chicago Athenaeum Museum of Architecture and Design, é localizado no coração do Bairro Europeu, em Bruxelas, recebeu cerca de 636 painéis fotovoltaicos em toda a cobertura, assemelhando-se a um guarda sol sobre o edifício. Desta forma, a sede de bloco econômico da exemplo de como enfrentar os desafios energéticos atuais, por meio de uma cobertura fotovoltaica de seu edifício sede, como meio de fomentar a utilização de energias renováveis e garantir eficiência energética.


A preocupação com edifícios mais eficientes e sustentáveis, tem crescido a cada dia. Empregando estratégias bioclimáticas e de otimização de recursos naturais, é possível projetar edificações com baixo consumo energético e que ao mesmo tempo proporcione conforto ao usuário, como, por exemplo, as fachadas norte e leste do edifício sede da UE, que são formadas por dupla camada de vidro e revestidas pelo mosaico de 3.750 esquadrias de madeira reutilizadas, promovendo o desenvolvimento sustentável através da reutilização de objetos, uma vez que todos as janelas são diferentes, mas são constituídas do mesmo material, fazendo alusão à diversidade e à unidade do bloco econômico e ainda, contribuem para o isolamento térmico e acústico das fachadas.



Durante a noite, a estrutura arquitetônica em formato de lâmpada se ascende, iluminando-se com cerca de 374 tubos de luz de LED, destacando a arquitetura belga. A iluminação em LED, a umidade e a temperatura, do edifício são reguladas por equipamentos que garantem a eficiência energética do projeto, tornando-se um projeto sustentável, que ainda, possui um sistema de captação e reuso da água da chuva, utilizada em vasos sanitários e também para a irrigação do jardim. 



O investimento total do projeto foi de 321 milhões de euros, com uma superfície total de 70.646m², suas instalações são compostas por 3 salas de conferência com pelo menos 32 cabines de interpretação cada, 10 outras salas de reunião, cerca de 250 gabinetes, incluindo o gabinete do Presidente do Conselho Europeu e instalações adicionais para a imprensa. Sendo o primeiro projeto arquitetônico de a Bélgica a ser submetida a um acompanhamento de auditores para garantir o selo de alta qualidade ambiental.



A UE tem se destacado em relação a preocupação com as questões climáticas e vê na sustentabilidade a solução para minimizar os riscos ao meio ambiente, garantindo também a economia e segurança quanto a seus recursos.

Comentários