Primeiro sítio de agricultura familiar com energia solar de MS está em Ivinhema

Com apoio da Agraer e do Pronaf, investimento foi de R$ 42 mil.

Da Redação / Imagens: Divulgação/Agraer

Conhecido pelos investimentos em agricultura familiar, Ivinhema lidera mais uma iniciativa para o setor em Mato Grosso do Sul. Agora, o município é o primeiro do Estado a contar com um sítio mantido a partir de energia solar. A iniciativa foi desenvolvida com apoio da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) e do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Para desenvolver a medida, foram investidos cerca de R$ 42 mil. O financiamento ficou por conta do Pronaf, que permitiu juros de 5,5% ao ano, além de carência de três anos e prazo de 10 anos para pagamento. “O valor em si é caro, mas você está investindo em sua propriedade e tem toda a questão do parcelamento com taxas de juros abaixo do mercado, sem contar a economia na redução da conta de luz", afirmou a agricultora Maria Salete Boemer.

Para a produtora, o empréstimo acaba se pagando “pela economia que eu estou fazendo". “Esses dias eu estava comentando com a família que nunca paguei uma coisa com tanto gosto como estou pagando esse empréstimo. A minha conta de energia deste mês é de R$ 24,00 e eu cheguei a pagar R$ 130, R$ 140 e R$ 160 e, às vezes, até um pouco mais. O meu filho que também faz uso da energia, mora aqui do lado, vai pagar R$ 29,00”, complementou Maria. 

O sistema consegue gerar energia para abastecer o sítio, incluindo eletrodomésticos e iluminação da residência, além de auxiliar na produção de leite, ao levar energia para o triturador, ordenhadeira e outros equipamentos. A capacidade de geração está em mais de 700 kwh/mês somente com energia solar, que é processada através de 32 m² de placas fotovoltaicas. 

E mesmo com o céu nublado, há produção. “O sistema já vem com para-raio, tem garantia de 25 anos e a gente está produzindo mais energia do que o esperado", acrescentou a agricultora.


Expansão 

Com metas atingidas, a Agraer agora estuda desenvolver o mesmo projeto para outras propriedades rurais. Além da economia, a medida também contribui para a sustentabilidade e isso pode agregar valor aos produtos de agricultores familiares.

A agência divulgou que há estudos que indicam uma produção de energia ainda sem ser aproveitada. "Uma minúscula proporção dos raios solares chega à Terra, o equivalente a 3.766.800 hexajoules de energia por ano. Para se ter uma ideia, um joule, parcela ainda menor de energia, é a quantidade que gastamos para erguer uma maçã, por exemplo", divulgou.

“O agricultor familiar que tiver interesse pode procurar uma das unidades da Agraer em qualquer um dos 79 municípios do Estado. Estamos à disposição para elaborar o projeto de crédito rural que possibilita o acesso ao financiamento deste tipo de sistema”, destacou o coordenador regional da Agraer de Nova Andradina, Sandro Polloni.

Comentários