Schmerler de Osinergmin: "O armazenamento de energia solar ainda é muito caro"

O Peru presidirá nos próximos três anos a Confederação Internacional de Reguladores de Energia (ICER), informou o presidente da Osinergmin.


O presidente da Osinergmin, Daniel Schmerler, disse que a Moquegua possui a maior usina de energia solar do Peru, mas ressaltou que ainda o armazenamento dessa energia ainda é muito caro para a indústria (Foto: Andina).

O presidente da Osinergmin, Daniel Schmerler, disse que a Moquegua tem a maior usina de energia solar do Peru, mas ressaltou que o armazenamento dessa energia ainda é muito caro no setor.

"É um caso importante, com painéis solares, existem mais de 500.000 painéis solares, é uma floresta de painéis solares que obviamente gera energia durante as horas em que há sol, ainda não há armazenamento porque é caro", disse Daniel Schmerler, da Osinergmin, em entrevista à RPP News .


Resgatou que também existem usinas eólicas no Peru, como a Wayra, em Nazca . "Estão começando a haver projetos mais interessantes no Peru e há um grande potencial", disse ele.

Peru no WFER 2021

Em virtude desses avanços, Daniel Schmerler anunciou que o Peru sediará o Fórum Regulamentar Mundial de Energia de 2021 (WFER), um ano que coincide com o Bicentenário. O local foi escolhido na última semana de março, no evento realizado este ano no México .

Da mesma forma, Osinergmin foi eleito para ocupar a presidência da Confederação Internacional de Reguladores de Energia (ICER) pelos próximos três anos. Desta forma, o Peru se torna o primeiro país da América Latina a manter essa posição.

Mais do que um excesso de oferta que reduz as tarifas de energia elétrica, ele ressaltou que os próximos anos vão demandar mais capacidade de geração e reserva, devido ao crescimento econômico esperado do país (Vídeo: RPP).

Maior geração

Daniel Schmerler disse que nos próximos dias ele espera se reunir com o novo Ministro de Energia e Minas para discutir a questão da Comissão Multissetorial que compreende MEM, Osinergmin e COES sobre as tarifas de energia elétrica. 

"É necessário mencionar que nos últimos anos não tivemos aumentos substanciais. Pelo contrário, no ano passado houve uma redução de 2% no número de usuários residenciais e redução para usuários industriais. O ano passado, o aumento foi de apenas 1%. Se este ano houve aumentos, devido ao congestionamento que ocorreu no final de 2017, não está em níveis alarmantes ", afirmou o presidente da Osinergmin.

No entanto, mais do que um excesso de oferta que reduz as tarifas de eletricidade, ele ressaltou que os próximos anos vão demandar mais capacidade de geração e reserva, devido ao crescimento econômico esperado do país. 

"É necessário tê-lo porque o país está começando a ter o crescimento que é esperado devido ao aumento de metais, novos projetos de investimento, melhorias para o consumidor, [mas] então você vai precisar de mais produção, novos projetos serão inseridos e Um projeto de geração de energia leva vários anos e é caro ", disse ele.

Comentários