O MEM iria redesenhar o marco regulatório para gerar energias renováveis

O vice-ministro Raúl García estimou que a proposta de modificar a atual regulamentação estará pronta em cerca de quatro meses. 

Foto: Andina.

O ministro da Energia deputado Raul Garcia Carpio disse que o Ministério de Energia e Minas (MEM) do Peru estão a rever o quadro regulamentar para a geração de energias renováveis ​​não convencionais, para que possam participar do mercado em concorrência com outras tecnologias.

Basicamente, buscará redesenhar a estrutura para que essas tecnologias possam ser incorporadas sem a necessidade de subsídios ou renda garantida (como está atualmente estabelecido).

"Essas tecnologias amadureceram, agora são mais competitivas", disse García durante sua apresentação no congresso.

O vice-ministro estima que em cerca de quatro meses a proposta de modificar a atual regulamentação estará pronta.
"O marco regulatório foi elaborado há cerca de 10 anos e o que estava fazendo era gerar renda garantida para essas tecnologias, após esse período, não é mais a melhor estrutura para promover essas tecnologias, e é por isso que uma revisão abrangente está sendo feita sobre isso." , ele notou.

Situação do RER

García explicou que, da geração total de eletricidade, as usinas hidrelétricas ocupam 69,4%, a energia térmica 27% e as energias renováveis ​​não convencionais (eólica e solar) participam apenas com 3,6%.

Nesse contexto, espera-se concluir este ano com uma participação próxima de 4%, ainda que o percentual objetivo atual, de acordo com o Decreto Legislativo 1002, seja de 5%.

"Como país, temos um alto potencial, mas no momento a participação dessas energias renováveis ​​mal excede 3%", explicou.

Outro

Eletrificação rural. De acordo com o vice-ministro da Energia, Raúl García Carpio, 99,2% da eletrificação rural será alcançada em 2021. Ele acrescentou que a eletrificação rural está atualmente em 81,5%. E entre 2016 e abril deste ano, apenas 1% foi alcançado.

Comentários