China cada vez mais seduzida pelo mercado brasileiro de energia renovável


Enquanto a China e os Estados Unidos – as duas maiores economias do mundo – disputam o comércio, Pequim se volta cada vez mais ao Brasil para preencher o vazio, despejando dinheiro em um portfólio diversificado de investimentos. 

Antes de 2010, os fundos chineses que fluíam para o Brasil estavam focados principalmente em assegurar alimentos e fornecimento de energia para o gigante asiático. 

Mas nos últimos anos, essa estratégia se expandiu para incluir os setores de telecomunicações, automotivo, energia renovável e serviços financeiros. 

E com a China agora envolvida em uma guerra comercial crescente com Washington, Pequim tem ainda mais incentivo para se aproximar do Brasil e de seus outros parceiros no grupo BRICS de economias emergentes – Rússia, Índia e África do Sul.

O investimento provavelmente estará no topo da agenda quando o grupo abrir sua cúpula na quarta-feira em Johanesburgo. 

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. De 2003 a junho deste ano, as empresas chinesas investiram quase US $ 54 bilhões em cerca de 100 projetos no Brasil, segundo dados do Ministério do Planejamento do Brasil. 

Só em 2017, o valor quase chegou a US $ 11 bilhões. 

Essa é uma boa notícia para o Brasil – a maior economia da América Latina emergiu lentamente, com uma alta e crescente dívida pública, de sua pior recessão na história, que se estendeu até 2015 e 2016. 

“A China pode desempenhar um papel muito importante para ajudar os brasileiros. a economia se recupera da estagnação “, disse Luiz Augusto de Castro Neves, presidente do Conselho Empresarial China-Brasil.

– Passeio, negócios bancários e agronegócios – De 2005 a 2017, o Brasil recebeu 55% de todos os investimentos feitos por empresas chinesas na América Latina, segundo a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (CEPAL). 

E esse dinheiro vai para uma seleção cada vez maior de indústrias. 

Um dos exemplos mais emblemáticos dessa diversificação foi o anúncio em janeiro de que o gigante chinês Didi Chuxing pagaria US $ 297 milhões pelo aplicativo de táxi 99. A 

China também invadiu o setor bancário do Brasil “para investir ainda mais, garantindo seu próprio financiamento”. “, explicou Lia Valls, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas.

Em março, a China Communications Construction Company (CCCC) começou a trabalhar no porto de São Luis, no nordeste do país, com 70% de financiamento do Banco Industrial e Comercial da China. 

Apesar de seus desafios econômicos, o Brasil mantém uma balança comercial favorável com a China, graças a superávits recorde (ultrapassou US $ 20 bilhões em 2017). 

As exportações brasileiras para a China, que eram dois por cento do total em 2000, subiram quase duas décadas para chegar a 26 por cento no primeiro trimestre de 2018, segundo dados oficiais. 

Alguns analistas, no entanto, apontam para um forte desequilíbrio no comércio, uma vez que as matérias-primas, incluindo ferro e soja, representam 86% das exportações. 

Mas Castro Neves diz que o setor agroalimentar é cada vez mais “de valor agregado”.

“Atualmente, a produção de soja usa cada vez mais alta tecnologia e estimula outras atividades”, disse ele. 

– Estratégia de longo prazo? – A presença da China no Brasil – como em outras partes do mundo – provocou inúmeras preocupações, incluindo respeito aos direitos dos trabalhadores e padrões ambientais. 

“Não é um problema chinês – é brasileiro”, avalia Castro Neves. 

“Já tivemos padrões claros, simples e atraentes respeitados por todos?” 

Castro Neves diz que lamenta a falta de uma estratégia brasileira mais ampla para se beneficiar desse fluxo maciço de capital. 

“Os países da América Latina, incluindo o Brasil, têm uma atitude passiva em relação à China”, explicou ele.

“Os chineses sabem exatamente o que querem de nós. Mas sabemos o que estamos procurando deles, além de vender mais?” 

Com a sua enorme iniciativa “Belt and Road”, a China está a desenvolver infraestruturas numa revitalização moderna das antigas rotas comerciais globais da Rota da Seda, enquanto a sua iniciativa “Made in China 2025” se centra no desenvolvimento industrial de alta tecnologia. 

Para a América Latina, o presidente chinês, Xi Jinping, está de olho em um modelo baseado em comércio, investimento e finanças, com seis setores prioritários: infraestrutura, TI, cultura, indústria, energia e inovação científica.

Pequim também quer intensificar a coordenação com seus parceiros dos BRICS em resposta aos “desafios impostos pelas mudanças políticas de alguns países desenvolvidos”, disse o ministro Zhang Jun, este mês – uma referência à imposição de altas tarifas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump . Bens chineses.

Postar um comentário

0 Comentários