Sustentabilidade na arquitetura: o que ela pode representar para projetos arrojados?


Veja como a sustentabilidade na arquitetura pode te ajudar a contribuir com a preservação e o bem-estar do mundo em que vivemos

Um projeto arquitetônico sustentável busca reduzir, ou evitar completamente, o esgotamento de recursos críticos como energia, água, terra e matérias-primas; prevenir a degradação ambiental causada por instalações e infraestruturas; e construir ambientes que sejam habitáveis, confortáveis, seguros e produtivos.

Edifícios usam recursos (energia, água, matérias-primas, etc.), geram resíduos, emitem gases para a atmosfera potencialmente prejudiciais e mudam fundamentalmente a função do terreno e a capacidade desse terreno de absorver e capturar água do solo.

Proprietários de prédios, arquitetos e construtores enfrentam desafios únicos para atender às demandas por instalações novas e renovadas que sejam acessíveis, seguras, saudáveis e produtivas, minimizando os impactos negativos para a sociedade, o meio ambiente e a economia.

Além de incluir conceitos de arquitetura sustentável em novas construções, os defensores da sustentabilidade geralmente incentivam a modernização de edifícios existentes em vez de construir novos. Essa ação pode muitas vezes ser mais rentável do que construir uma nova instalação.

Projetar grandes reformas e modernizações para que os edifícios existentes incluam atributos de projetos sustentáveis reduz os custos de operação e os impactos ambientais e pode aumentar a resiliência dos edifícios.

A “energia incorporada” do edifício existente (um termo que expressa o custo dos recursos em trabalho humano e materiais consumidos durante a construção e uso do prédio) é desperdiçada quando se permite que a edificação se decomponha ou seja demolida.

Crédito da imagem: Scott Webb/Pexels

E, embora a definição de arquitetura sustentável evolua ao longo do tempo, seis princípios fundamentais persistem. Abaixo, veja cada um deles e saiba o que a sustentabilidade na arquitetura pode representar para projetos arrojados.

1. Otimiza o potencial da edificação

A criação de edifícios sustentáveis começa com a seleção adequada do local, incluindo a consideração da reutilização ou reabilitação de edifícios existentes. A localização, orientação e paisagismo de um edifício afetam os ecossistemas locais, os métodos de transporte e o uso de energia.

Incorporar princípios inteligentes de crescimento ao processo de desenvolvimento do projeto de imóveis à venda é importante tanto se estamos falando de um único prédio, um campus ou um grande complexo.

A segurança física é um problema crítico na otimização do design do prédio, pois inclui ruas de acesso, estacionamento, barreiras de veículos e iluminação de perímetro. Seja projetando um novo edifício ou reformando um edifício existente, a arquitetura do local deve integrar-se a um design sustentável para alcançar um projeto bem-sucedido.

O local de um edifício sustentável deve reduzir, controlar e/ou tratar o escoamento de águas pluviais. Se possível, esforce-se em apoiar a flora e fauna nativas da região no desenho da paisagem dos seus imóveis.

2. Otimiza o uso de energia

Com a demanda cada vez maior de recursos de combustíveis fósseis e preocupações crescentes sobre a independência e segurança energética, e com os impactos das mudanças climáticas globais se tornando mais evidentes, é essencial encontrar maneiras de reduzir a carga de energia, aumentar a eficiência e maximizar o uso de fontes renováveis nos seus imóveis à venda.

Melhorar o desempenho energético dos edifícios existentes é importante para aumentar a nossa independência energética. Organizações governamentais e do setor privado estão se comprometendo cada vez mais com a construção e operação de prédios com energia zero para reduzir significativamente a dependência de combustíveis fósseis.

3. Protege e preserva os recursos hídricos

Em muitas partes do Brasil, a água doce é um recurso cada vez mais escasso.

Como a construção modifica fundamentalmente a função ecológica e hidrológica das terras não construídas, um edifício sustentável deve procurar minimizar a cobertura impermeável criada, por meio de práticas que possam reduzir esses impactos usando água de maneira eficiente e reutilizando ou reciclando água para uso local, quando possível.

O esforço para levar água potável para as nossas torneiras domésticas consome enormes recursos energéticos em bombeamento, transporte e tratamento.

Muitas vezes, substâncias químicas potencialmente tóxicas são usadas para tornar a água potável, além de que os custos ambientais e financeiros do tratamento de esgoto são muito significativos.

É por isso, portanto, que vale a pena nós nos utilizarmos da arquitetura sustentável na construção de complexos de casas e apartamentos.

4. Otimiza o espaço de construção e o uso de materiais

Enquanto a população mundial continua a crescer (para mais de 9 bilhões até 2050), o consumo de recursos naturais continuará a aumentar e a demanda por bens e serviços adicionais continuará a reduzir os recursos disponíveis.

É essencial obter um uso integrado e inteligente de materiais que maximizem o valor do prédio, evitem a poluição desenfreada e preservem os recursos naturais.

Os materiais utilizados em um edifício sustentável minimizam os impactos ambientais do ciclo de vida de um prédio, como o aquecimento global, o esgotamento de recursos e a toxicidade.

Os materiais ambientalmente preferíveis reduzem os impactos na saúde humana e no meio ambiente e contribuem para melhorar a segurança e a saúde dos trabalhadores e para reduzir os custos de descarte.

5. Melhora a qualidade ambiental interna

A qualidade ambiental interna de um edifício tem um impacto significativo na saúde, conforto e produtividade dos ocupantes.

Entre outros atributos, um edifício sustentável maximiza a iluminação natural, tem ventilação e controle de umidade apropriados, otimiza o desempenho acústico e evita o uso de materiais com emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs).

Os princípios da qualidade ambiental interna também enfatizam o controle dos ocupantes sobre sistemas como iluminação e temperatura, sendo por isso muito utilizados ultimamente em apartamentos para vender em Florianópolis.

6. Otimiza as práticas operacionais e de manutenção

Considerar questões operacionais e de manutenção de um edifício durante a fase de projeto preliminar de uma instalação contribui para a melhoria dos ambientes de trabalho, para uma maior produtividade, para a redução de custos de energia e de recursos e para a prevenção de falhas no sistema estrutural.

Incentive os operadores de edifícios e o pessoal de manutenção a participar das fases de projeto e desenvolvimento, a fim de garantir operações e manutenção ideais do edifício e de seus recursos, como instalações de águas pluviais projetadas para reduzir o impacto do edifício sobre o solo.

Recrute, desenvolva e treine o pessoal de manutenção para operar edifícios de alto desempenho cada vez mais sofisticados.

Arquitetos podem especificar materiais e sistemas que simplifiquem e reduzam os requisitos de manutenção; que requeiram menos água, energia e produtos químicos/tóxicos; e que sejam rentáveis e reduzam os custos do ciclo de vida da edificação.

E aí, já sabia de todos esses benefícios que a sustentabilidade na arquitetura pode proporcionar tanto a projetos simples quanto aos arrojados? Compartilhe o post nas redes sociais e incentive esses cuidados extras com a natureza e com o meio em que vivemos!

Postar um comentário

0 Comentários