Conseguiram os veículos elétricos poupar 180 bilhões de Euros à UE


A utilização de veículos elétricos poderia levar a uma redução da poluição atmosférica e a uma poupanças de 180 biliões de euros em custos médicos para a UE.

Segundo um relatório da Deloitte e da InnoEnergy, a redução da poluição poderia poupar aos cidadãos da UE mais de 180 biliões de euros até 2025. O relatório argumenta que lidar com a poluição do ar poderia gerar benefícios tanto para a saúde como para a economia, sendo os veículos elétricos uma boa aposta.

O relatório Clean Air Challenge foi escrito em resposta às descobertas da Comissão Europeia de que o smog pode representar 1 em cada 10 mortes prematuras no mundo. Estima-se que os custos totais da saúde, relacionados com o smog, estejam entre os 242 e os 775 biliões de euros até 2020, o que representa 2,9% do PIB médio anual. Estes valores são calculados com base nas mortes prematuras, aumento das contas da saúde, doenças prolongadas, menor produtividade no trabalho e as ausências.

Diego Paiva, CEO da InnoEnergy, disse: “É chocante que nos dias de hoje, a poluição ainda represente um risco para a saúde das nossas comunidades. Colocando o enorme custo financeiro de lado, não há razão, com a tecnologia que temos hoje em dia, que os cidadãos não sejam capazes de respirar ar puro”.

Jerzy Buzek, presidente do Comité Europeu da Indústria, Pesquisa e Energia e ex-Presidente do Parlamento Europeu, disse: “Apesar da melhoria substancial nas últimas décadas, a poluição do ar ainda é responsável por mais de 400.000 mortes prematuras na Europa todos os anos. Venha essa poluição dos veículos, das indústrias, das habitações ou das centrais elétricas, a poluição do ar é o maior risco para a saúde ambiental na Europa”.

O relatório analisa com profundidade a questão da qualidade do ar em todo o continente, destacando soluções concretas e inovadoras de transporte e aquecimento para proteger os cidadãos europeus da poluição e do seu impacto na saúde. Embora muitas substâncias causam ar impuro, o relatório concentra-se em seis delas: NOx, SOx, BaP, PM10, PM2,5 e CO2, à exceção dos restantes o CO2 é associado ao efeito smog.

Na Europa, a poluição do ar resulta principalmente da combustão de hidrocarbonetos no transporte rodoviário e no aquecimento. Nas áreas urbanas, as emissões de NOx e NO2 são principalmente resultado do transporte rodoviário.

Combustão de hidrocarbonetos no transporte rodoviário

Houve um forte progresso tecnológico nas soluções de transporte limpos, mas, para conseguirem crescer, é necessário um apoio crescente e acelerado por meio de políticas de incentivo ou de mudanças fundamentais nos hábitos a nível individual.

Ações tomadas para enfrentar o desafio

Em 2016, o Parlamento Europeu votou a favor de novos limites, mais baixos do que os anteriores, para os principais poluentes atmosféricos. Isto deverá contribuir significativamente para melhorar a qualidade do ar em todo o continente e reduzir para metade o número de mortes até 2030. O Parlamento está também a trabalhar na legislação das emissões dos veículos e a negociar uma reforma para o esquema da troca de emissões. Há pouca confiança nos fabricantes de veículos, após o escândalo do grupo da VW, e isso está a gerar interesse nas alternativas.

O relatório sugere três soluções relacionadas aos veículos elétricos para fornecer a combinação ideal de mercado e atratividade tecnológica, bem como o impacto sobre a poluição. São elas: redes de carregamento interconectadas, diversas soluções de carregamento e veículos elétricos.

Isto significa que a área dos veículos elétricos pode beneficiar muito com esta pesquisa, seja por causa dos evidentes crescentes impactos do smog em termos financeiros e de saúde, ou porque é mais fácil aguentar os custos do investimento nas infraestruturas de carregamento do que aguentar os custos de não fazer nada.

Postar um comentário

0 Comentários