Nova bateria à base de água poderia ajudar as energias renováveis

Nova bateria à base de água pode ser a solução para o maior problema das energias renováveis. Fique a conhecer o seu funcionamento.


Um grupo de pesquisadores da Universidade de Stanford desenvolveu um novo tipo de bateria à base de água e sal, que esperam que possa ser utilizado para armazenar a energia produzida a partir de parques eólicos e solares, aumentando assim a eficácia das energias renováveis.

As duas formas de produzir energia que mais crescem no mundo atualmente são a energia eólica e a solar, e ambas têm uma limitação. Elas estão sujeitas às condições atmosféricas e podem passar horas sem produzir energia elétrica. Os fornecedores de energia, que dependem destes métodos, precisam de alguma segurança enquanto os seus parques eólicos e solares estão offline.

Não há muitas opções para essas empresas, e muitas delas têm de se apoiar em centrais a combustíveis fósseis (como a carvão e gás natural). Uma solução alternativa, e que está a ser testada em lugares da Austrália, pode ser o armazenamento de energia em baterias, de modo a que possa ser armazenado o excesso de energia produzida para ser usada mais tarde quando for necessária.

Mas as baterias também têm os seus problemas. A maioria dos sistemas de baterias em larga escala são muito caros, e tempo de vida útil também é reduzido. Normalmente, as baterias recarregáveis têm uma vida útil de cerca de uma década antes de deixarem de aguentar uma carga e precisarem de serem substituídas.

A nova bateria à base de água que está a ser desenvolvida em Stanford resolve esses problemas com um sistema barato e com um maior tempo de vida útil, perfeito para o armazenamento de energia em larga escala. A bateria é baseada em hidrogénio e manganês e é feita a partir da dissolução de sulfato de manganês, um sal comum, na água.


Quando a eletricidade é bombeada através da solução, ela provoca uma reação química, criando dióxido de manganês e hidrogénio puro. O gás hidrogénio pode depois ser armazenado e queimado como combustível sempre que seja necessária energia elétrica. A bateria em si pode ser recarregada com eletricidade e o processo repete-se.

Ainda há um longo caminho para percorrer antes deste tipo de baterias estar disponível no mercado. Os pesquisadores testaram apenas um pequeno protótipo em laboratório, e não há garantias de que o projeto funcione em campo. Mas, se a bateria é assim tão barata e duradoura, poderíamos começar a ver este tipo de armazenamento a surgir por aí.

Mais importante ainda, baterias melhores e mais baratas poderiam aumentar os investimentos em parques solares e eólicos. Afinal, uma bateria barata e duradoura seria capaz de eliminar o maior problema das energias renováveis. Talvez seja uma boa tecnologia de armazenamento que nos consiga ajudar a combater as alterações climáticas.

Fonte: Stanford

Postar um comentário

0 Comentários