O que muda na conta de energia após a instalação do sistema fotovoltaico?


Para as contas das unidades de baixa tensão, além das mudanças no layout, foram detalhadas informações sobre a instalação, quantidade de energia consumida e injetada na rede, saldo de créditos com a concessionária, entre outras.

Após a instalação do sistema fotovoltaico, sua fatura de energia passará por algumas alterações. Saiba quais são e entenda as informações adicionadas!

A partir da criação do “Sistema de Compensação de Energia Elétrica” regulamentado pela ANEEL em 2012 através da Resolução Normativa REN nº 482, os consumidores de energia passaram a ter a possibilidade de gerar a própria energia. Com esta possibilidade, todos os consumidores que instalaram seus sistemas fotovoltaicos puderam observar uma mudança na conta de luz. A mais facilmente percebida foi a redução no valor da conta. Contudo, houve outras mudanças. Novas informações foram acrescentadas à conta de energia e os consumidores passaram a acompanhá-la com maior frequência.

Este acompanhamento foi suficiente para perceber alguns erros nas faturas. Tanto no que diz respeito às informações de leitura, quanto às informações de faturamento.

Por este motivo, explicaremos as principais mudanças que ocorreram na fatura de energia (das unidades consumidoras atendidas em baixa tensão) que podem auxiliar a esclarecer dúvidas e identificar erros.

As principais modificações que ocorreram na fatura de energia depois da instalação do sistema fotovoltaico foram nos campos: Classe e Subclasse, Informações Técnicas, Informações Gerais e Valores Faturados. Vamos ver o que mudou em cada campo.


Como era e como ficou a conta de luz antes do Sistema Fotovoltaico?

Vejamos cada um dos itens que sofreram modificações na fatura de energia dos consumidores atendidos em baixa tensão.

Atenção! As informações analisadas neste blogpost são baseadas na fatura de energia da Cemig – Companhia Energética de Minas Gerais S.A. O layout e as expressões utilizadas podem variar de acordo com a concessionária de sua região, mas representam os mesmos dados.

Figura 1 – Fatura antes da GD

  • 1. Classe e Subclasse
Também chamadas de Classificação da Unidade Consumidora.

Antes da GD: a classe a subclasse apresentavam o tipo de unidade consumidora e a configuração do circuito de alimentação (monofásico, bifásico ou trifásico).

Os tipos de unidade consumidora poderiam ser: Residencial, Industrial, Comercial, Rural, Poder Público ou Serviço Público.

Depois da GD: A subclasse ganhou uma denominação complementar. Todos os tipos de unidades consumidoras ganharam o complemento Ger. Distribuída, referente a unidade de geração distribuída de energia elétrica (em geral, os sistemas fotovoltaicos).

  • 2. Informações Técnicas
Também pode ser chamada de Discriminação da Operação.

Antes da GD: Nas informações técnicas havia apenas um tipo de registro de medição chamada Energia (kWh). E que correspondia apenas a Energia ativa consumida. Cabe destacar que dependendo da distribuidora de energia elétrica a expressão pode mudar para Energia Consumida, Energia Ativa Consumida ou, simplesmente, Energia. Todas elas referem-se ao mesmo significado e apresentam o valor de energia em kWh.

Depois da GD: Passou a apresentar, também, a Energia Injetada (em kWh), indicando o valor de energia que foi injetado na rede.

  • 3. Informações Gerais
Também chamada de informações sobre a fatura.

Antes da GD: Eram apresentadas informações das bandeiras tarifárias e outras informações sobre legislação.

Depois da GD: Passaram a ser apresentadas as informações sobre os créditos de energia, bem como sua validade.

Até momento, a única fonte de informação que registra os créditos de energia é a fatura.

  • 4. Valores faturados
Também chamado de descrição da operação.

Antes da GD: Os valores faturados apresentavam a quantidade de energia consumida, o respectivo valor do kWh (unidade de medida).

Depois da GD: Passaram a apresentar os valores faturados da quantidade de energia injetada na rede elétrica, com o respectivo valor do kWh e o valor final da energia injetada.

Dependendo da distribuidora de energia, esses valores podem ser apresentados de forma separada, indicando a Tarifa de Energia (TE) e a Tarifa do Uso do Sistema de Distribuição (TUSD).

Cada uma das parcelas que sofreram modificação estão destacadas na imagem abaixo:

Figura 2 – Fatura depois da GD


O que é importante observar?

É importante observar que o campo Informações Técnicas apresentam dados de leitura, enquanto que o campo Valores Faturados, apresenta os valores que foram considerados para aplicação da tarifa de energia e cálculo do valor da conta.

Os valores de energia injetada e consumida presentes nas informações técnicas são os mesmos que devem ser utilizados para o cálculo dos valores faturados. A estes valores serão acrescidos as bandeiras tarifárias, a contribuição de iluminação pública e os impostos. Entretanto, os valores de energia consumida apresentados no campo Informações Técnicas, devem ser os mesmos apresentados no campo Valores Faturados. O que também vale para a energia Injetada.

Outro campo importante de se observar é o de Informações Gerais. Pois, nele são apresentados os créditos de energia e a respectiva data de vencimento desses créditos. É importante verificar se os créditos estão sendo contabilizados de forma correta e a melhor forma para isso é observando e comparando com as informações das faturas anteriores. Neste campo, também será possível identificar as bandeiras tarifárias e a incidência de mais de uma, quando houver mudança de bandeira no meio do período de faturamento.


Concluindo

Após a instalação da GD há quatro principais modificações a serem observadas. Resumimos as mudanças na fatura de energia na tabela a seguir:


É importante ficar atento às modificações para identificar erros e confirmar que o faturamento está sendo realizado de forma correta.

DICA: Esse ano foi lançado o aplicativo da ANEEL, disponível na Google Play e na Apple Store e que, entre outras funções, apresenta a opção entenda sua conta:

Figura 3 – Aplicativo ANEEL


Agora que destacamos as mudanças na fatura de energia, o integrador pode acompanhar e auxiliar o consumidor final, explicando como foi o seu consumo e a economia gerada após o sistema instalado. E, ainda há a possibilidade de utilizar as informações dos sistemas de monitoramento para auditar a fatura mas, isso é tema para outro momento.

Até lá, deixe seu comentário informando se você já teve alguma dificuldade ao identificar estas informações na fatura, para explicá-las aos seus clientes ou outra dificuldade. Sua dúvida pode ser esclarecida em algum dos próximos posts.

Fonte: Gestor Solar

Postar um comentário

0 Comentários