Escola Superior de Enfermagem do Porto reduz pegada ambiental


Instituição de ensino superior adota a sustentabilidade energética como vetor estratégico para a construção de melhores e mais eficientes soluções para os seus estudantes e investigadores.

Dando resposta à vontade global de racionalização e eficiência na utilização de recursos naturais, a Escola Superior de Enfermagem do Porto (ESEP) tem desenvolvido diversas iniciativas de combate às alterações climáticas, adaptando os seus edifícios de forma a torna-los energeticamente mais eficientes.

De facto, este impulso de adaptação de edifícios fundamenta-se na necessidade de um esforço coletivo em construir um mundo mais sustentável, mitigando o impacto ambiental inerente à atividade humana.

A pensar nisto, são várias as ações de intervenção que têm reduzido o consumo de recursos dos três edifícios públicos da ESEP garantindo, por um lado, poupanças energéticas significativas e, por outro, diminuindo a sua pegada ecológica.

Uma das medidas mais emblemáticas implementadas pela ESEP está relacionada com o aproveitamento das águas pluviais.

Entre 2011 e 2012, com vista a diminuir a utilização de água potável canalizada em vasos sanitários, foi instalado um reservatório para recuperação e filtragem de águas pluviais, com capacidade para armazenar cerca de 50 mil litros e cuja implementação permitiu uma poupança média anual de €2.200,00 na fatura da água.

Ainda no âmbito de racionalização de recursos, agora para aquecimento de águas sanitárias, foram instalados 12 painéis solares térmicos, permitindo diminuir a utilização de energia proveniente de fontes não renováveis e, ainda, possibilitando poupanças significativas na fatura de energia.

A pensar, também, no conforto de toda a comunidade da ESEP, foram implementadas medidas ao nível do isolamento térmico, instalando-se telhas térmicas, permitindo isolar a temperatura do edifício, reduzindo custos com a eletricidade.

Aprofundando o nosso comprometimento com o apoio à transição para uma economia de baixo teor de carbono, a ESEP implementou o Projeto de Eficiência Energética na ESEP, financiado pelo Fundo de Coesão da União Europeia, no âmbito do programa POSEUR – Programa Operacional para a Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos e que permitiu aumentar a eficiência energética associada à infraestrutura de outro edifício da ESEP, designado por Polo Dona Ana Guedes.

Entre 2017 e 2018 foram, então, colocados vão envidraçados, alterados os sistemas de iluminação interior e exterior para o sistema LED, remodelada a central térmica e instalado um sistema de produção fotovoltaico, permitindo aumentar a eficiência energética e, assim, obter uma redução efetiva dos custos energéticos.

Com a execução deste projeto, a ESEP obteve uma redução efetiva dos custos energéticos e da sua pegada de carbono, aumentado o seu grau de imunidade aos incrementos macroeconómicos dos custos energéticos e implementando, efetivamente, energias renováveis com um impacto visível no seu consumo energético.

Reforçando o seu comprometimento com a sustentabilidade do planeta, e com o objetivo de incentivar a sua comunidade a implementar medidas de aceleração da apropriação de energias de tração alternativas e ambientalmente mais favoráveis, em 2018, a ESEP apresentou candidatura para instalação de posto de carregamento para veículos elétricos na sua sede.

Este novo projeto, a concluir ainda este ano, foi cofinanciado pelo Fundo Ambiental, da responsabilidade do Ministério do Ambiente e Transição Energética, e visa fomentar o desenvolvimento sustentável pelo incentivo à introdução de veículos de baixas emissões, contribuindo para o cumprimento dos compromissos nacionais relativos às alterações climáticas.

Em 2019, novos projetos e empreendimentos encontram-se em preparação, procurando dotar a ESEP de soluções mais sustentáveis, construindo, paulatinamente, um espaço de aprendizagem e de ciência responsável e comprometido com a preservação do planeta no presente e para o futuro.

Postar um comentário

0 Comentários