Gigantes nuclear aumentam as renováveis ​​brasileiras


A CGN Energy tornou-se um dos compradores mais agressivos da China de ativos de geração de energia renovável no exterior, com fábricas em outros oito países.

(Pequim) – A principal companhia de energia nuclear da China concordou em comprar três fazendas de energia renovável no Brasil, marcando sua primeira investida na América Latina, expandindo-se agressivamente para além das prioridades de energia limpa de Pequim.

A CGN Energia Internacional Holdings Co. Ltd. , unidade da General Nuclear Power Corp. , pagará 2,9 bilhões de reais (774 milhões de dólares) pelo trio de usinas da Enel SpA , informou o vendedor italiano em comunicado divulgado na quarta-feira. As três instalações têm uma capacidade instalada total de 540 megawatts (MW), e o acordo deve ser fechado até o final de março, acrescentou Enel.

“Com a venda desses ativos, estamos capturando valor para um maior crescimento no Brasil, onde estamos implementando um grande pipeline de projetos renováveis”, disse Antonio Cammisecra, chefe da Enel Green Power. “Continuamos focados nas oportunidades oferecidas pelo mercado brasileiro de renováveis ​​e continuamos a investir no país, onde a Enel Green Power terá um papel ativo, realizando novos projetos e gerenciando a frota de unidades operacionais.”

O desenvolvimento de fontes de energia renováveis, como eólica e solar, tornou-se uma das principais prioridades de Pequim, como parte de seus esforços para limpar o ar poluído do país e criar tecnologias que podem ser exportadas. A nação agora produz mais da metade dos painéis solares do mundo e tem sido uma das construtoras mais agressivas de novas fazendas solares nos últimos anos.

Das três usinas brasileiras que estão sendo adquiridas pela CGN Energy, duas são usinas solares nos estados do nordeste do Piauí e da Bahia, com capacidades de 292 MW e 158 MW, respectivamente. O terceiro é um parque eólico, também na Bahia, com capacidade de 90 MW.

“Em linha com o Plano Estratégico 2019-2021 do grupo, esta transação visa maximizar e acelerar a criação de valor através da rotação de ativos para liberar recursos que podem ser investidos em novos projetos, enquanto a Enel continuará as atividades de operação e manutenção dos ativos vendidos” Enel disse. “O mercado brasileiro de renováveis ​​é rico em oportunidades para o grupo, que quer continuar crescendo no país, inclusive financiando seus novos investimentos através do modelo de construção, venda e operação (BSO).”

A CGN Energy tornou-se um dos compradores mais agressivos de ativos de geração de energia renovável no exterior da China, com fábricas em outros oito países, incluindo EUA, Grã-Bretanha, Austrália, Cingapura e Malásia, segundo seu site.

Uma das aquisições mais recentes da empresa foi anunciar planos em julho de comprar 75% do projeto de energia eólica do Pólo Norte da Suécia, o maior projeto onshore da Europa, do grupo Macquarie, da Austrália, e do conglomerado norte-americano General Electric Co. tem 650 MW de capacidade após a conclusão. Em 2016, a empresa também comprou o maior parque eólico terrestre da Bélgica, com uma capacidade de produção de 81 MW mais modesta, da WindVision Belgium SA.

Mas a navegação não tem sido tranqüila, com as compras chinesas às vezes sendo rejeitadas devido à natureza sensível de possuir ativos geradores de energia em outros países. Em agosto, a Shenzhen Energy Group Co. desmantelou seu plano de comprar três fazendas solares da Califórnia por US $ 232 milhões, depois de não conseguir obter autorização de segurança nacional.

Postar um comentário

0 Comentários