A Assembléia Ambiental da ONU em Nairóbi começa com poluição química

Estudos também incluíram pesquisas sobre o impacto ambiental da indústria química


A Quarta Assembléia das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente (11-15 de março)começou ontem em Nairobi, no Quênia. Durante o evento, os 193 países da ONU discutirão as formas mais eficazes de se colocar em prática para combater o fenômeno da mudança climática e incentivar uma gestão mais sustentável e circular dos recursos do planeta. A manifestação começou com um minuto de silêncio, observado antes de cada reunião preparatória, para as vítimas do acidente de avião envolvendo um Boeing 737 da Ethiopian Airlines. Uma tragédia na qual 157 pessoas, incluindo 19 funcionários da ONU, perderam suas vidas.

Para uma sociedade "sustentável e resiliente"

O trabalho do plenário foi aberto ontem por Siim Kiisler, Presidente da Assembléia das Nações Unidas para o Meio Ambiente, que destacou " a imensa responsabilidade" que todos nós temos de mudar nossos modelos de produção movendo-se " rumo a uma sociedade mais sustentável e resiliente ” . " Estamos convencidos - disse Kiisler - de que é necessário promover ações concretas agora, para proteger nosso planeta e as pessoas que nele habitam".

Uma participação global

Muitas questões foram abordadas durante o evento, que contará com a participação de ministros do meio ambiente, chefes de estado, ativistas ambientais e representantes de ONGs. Todos os protagonistas de um grande debate global durante o qual serão apresentadas propostas e estudos sobre os vários problemas que afligem o planeta.

O estudo sobre poluição química

Entre as muitas questões abordadas também a poluição causada pelo setor químico, uma questão central de um estudo das Nações Unidas apresentado durante o primeiro dia do evento. A pesquisa mostra, em particular, como a atual capacidade de produção química é de 2,3 bilhões de toneladas, equivalente a um valor de 5 trilhões de dólares por ano, uma vez que deve dobrar ainda mais até 2030. Esses números são requerem uma gestão cuidadosa do impacto destas substâncias no ambiente.

Minimizar o impacto ambiental

" Apesar dos compromissos para maximizar os benefícios e minimizar os impactos deste setor - diz o site da ONU em um post dedicado à montagem - substâncias químicas perigosas continuam sendo liberadas no meio ambiente em grandes quantidades. Eles são onipresentes no ar, água e solo, comida ". Por este motivo, é importante gerir eficazmente os desafios colocados pelo setor químico, concentrando-se em todas as inovações disponíveis e nas intervenções regulamentares.

Soluções existem

Soluções para resolver o problema existem. Segundo o relatório, o compromisso é assumido em vários níveis em toda a linha. "Os governos estão tomando medidas regulatórias em muitos produtos químicos. As empresas mais avançadas estão buscando padrões que vão além da conformidade e do gerenciamento sustentável da cadeia de suprimentos. Os consumidores estão impulsionando a demanda por produtos e produção mais seguros ". 

Além disso, “a indústria e os empreendedores estão desenvolvendo inovações químicas verdes e sustentáveis. Os cientistas estão preenchendo as lacunas de dados. As universidades estão reformando a maneira como a química é ensinada. Abordagens de gestão - da avaliação de riscos químicos à gestão de riscos e análise do ciclo de vida - estão avançando". Uma série de iniciativas que juntas representam um importante apoio para promover a sustentabilidade ambiental no setor.

Postar um comentário

0 Comentários