EDP ​​de Portugal para adicionar até 2GW em capacidade fotovoltaica até 2022

A EDP adicionou solar flutuante às instalações da barragem e irá explorar híbridos eólicos e solares 
(Crédito: EDP)

O portfólio de energia solar fotovoltaica da EDP poderá aumentar de 1,5 a 2 GW dos 100MW atualmente instalados até 2022, como parte de uma redistribuição mais ampla para as energias renováveis.

Como parte de sua atualização estratégica para 2019-2022, a gigante de energia prometeu esta semana trabalhar nos próximos quatro anos para capturar a oportunidade “considerável” que vê no mercado fotovoltaico.

O impulso da EDP vai começar com um pipeline de cerca de 800MW, metade da qual está sendo negociada atualmente. O restante, disse a empresa, já estava garantido no ano passado entre o Brasil - com um contrato de 15 anos com um projeto de 205MW no município de Pereira Barreto - e nos EUA, onde um contrato de 20 anos foi assinado para um parque solar de 200MW Indiana.

De acordo com a EDP, o crescimento adicional será impulsionado por eventos políticos, incluindo o projeto de 2GW mais solar em Portugal, este ano e o próximo, e as novas metas climáticas da Espanha.

A empresa também aproveitará sua base de clientes existente na Espanha e no Brasil e acompanhará os desenvolvimentos nos EUA, onde acredita que a competitividade poderá aumentar à medida que os subsídios da PTC forem eliminados.

Se totalmente cultivada de acordo com o plano, a energia solar deverá representar 25% das adições ao portfólio renovável da EDP entre 2019 e 2022. A energia eólica terrestre - prevista para adicionar 5-5.5GW às instalações existentes de 11.5GW - deverá representar uma quota de 70% durante o período.

Para impulsionar ambas as tecnologias, bem como a energia eólica offshore, a EDP irá angariar mais de 6 mil milhões de euros através de estratégias de rotação de ativos, bem como de vendas nos próximos 12 a 18 meses. A empresa pretende alienar principalmente ativos na Península Ibérica, com foco em energia térmica.

A atualização de 2019 prevê planos para explorar estratégias emergentes, incluindo híbridos eólicos e solares. A empresa também irá desenvolver projetos solares flutuantes, como a instalação de 220kWp que acrescentou em 2017 à sua barragem de Alto Rabagão, em Portugal.

Postar um comentário

0 Comentários