Os cientistas tomaram emprestado o caminho do vaga-lume para melhorar a eficiência das lâmpadas LED


Cientistas americanos aumentaram em 40% a eficiência da emissão de luz em luzes LED graças ao pirilampo. 

Segundo o professor da Universidade da Pensilvânia Stuart Ina, os insetos pediram emprestadas estruturas especiais em "lanternas", relata IGate. 

"Estamos tentando aumentar a eficiência de remover a luz dos LEDs com o mesmo consumo de energia, assim como o pirilampo", diz ele. - Para milhões de anos de evolução de insetos minúsculos encontraram uma maneira de maximizar a luminosidade com o menor custo, as "luzes" cobrir estrutura especial - um pequeno avião através do qual a luz sai mais fácil e menos efeito sobre a maneira".

Pirâmides assimétricas de vaga-lumes 

Os LEDs também usam tecnologia semelhante, mas estruturas condutoras de luz estão na forma de pirâmides simétricas regulares, enquanto estruturas em "lanternas" de vaga-lumes são cortadas para um lado, explica Stuart Yin. "Nós restauramos uma estrutura semelhante imprimindo-a em um nanodrive e descobrimos que a eficiência da produção de luz aumentou para 90%", diz ele. - É 40% superior ao das melhores lâmpadas LED modernas."

À esquerda está um diodo emissor de luz microscópico com uma camada de "pirâmides" simétricas, à direita - um diodo emissor de luz com a mesma potência, revestido com estruturas assimétricas.

Segundo o professor Stuart Ina, uma forma assimétrica aumenta o retorno da luz de duas maneiras. "Primeiro, as pirâmides assimétricas têm uma grande área de superfície e os fótons de luz estão mais em contato com a superfície, com mais freqüência saindo de suas fronteiras", observa ele. - Em segundo lugar, a assimetria aumenta a re-reflexão, assim, o fóton parece mais provável estar fora do LED."

Os cientistas também notaram que "pirâmides" assimétricas não têm apenas vaga-lumes, mas também outros insetos que brilham, por exemplo, as baratas equatorianas Lucihormetica luckae.

"Atualmente, a eficiência média dos LEDs é de 50%, ou seja, cerca de metade da luz produzida não sai do elemento LED", explica Stuart Yin. - A luz LED pode brilhar duas vezes mais com o mesmo consumo de energia - e fizemos um passo significativo nessa direção. "

Os resultados do estudo já foram publicados na revista científica Optik.

Os cientistas asseguram que a nova tecnologia não afetará o custo de produção de LEDs. "Para a criação de" pirâmides moldadas ", o fabricante precisa mudar apenas um aspecto menor do processo de produção", observa Stuart Yin.

Os cientistas pretendem iniciar negociações com fabricantes de lâmpadas após a obtenção de uma patente.

De acordo com especialistas, até 2024 o mercado de iluminação LED será de US$ 85 bilhões. Lâmpadas LED mais atraente para os consumidores e menos prejudiciais para o ambiente, uma vez que consomem dez vezes menos energia do que as lâmpadas incandescentes.

Postar um comentário

0 Comentários