Energia Solar na Arábia Saudita: Perspectivas


A Arábia Saudita, o epicentro da indústria petrolífera mundial, tem mostrado grande interesse em energia solar nos últimos anos. A Arábia Saudita tem uma das maiores irradiações solares do mundo, estimada em aproximadamente 2.200 kWh térmicos de radiação solar por m². O país está estrategicamente localizado perto do cinturão do Sol, além da disponibilidade abundante de trechos vazios de deserto que podem acomodar a infraestrutura para projetos de energia solar.

Vastos depósitos de areia podem ser usados ​​na fabricação de células fotovoltaicas de silício, o que faz da Arábia Saudita um local atraente para a indústria solar. “O recurso é impressionante; a terra está abundantemente disponível; o sistema de redes de transmissão é relativamente novo, altamente resiliente e capaz de acomodar cargas intermitentes; e a credibilidade da KSA é imbatível, como demonstrado pela resposta à primeira oferta internacional de títulos da nação”, explica Paddy Padmanathan, CEO da ACWA Power, um dos maiores desenvolvedores de energia solar do mundo.

Outro fator importante para a implantação de energia solar na Arábia Saudita é um consumo de energia primária per capita incrivelmente alto, quatro vezes maior do que a média global. O consumo total de energia no Reino está crescendo rapidamente a uma taxa rápida de 6% ao ano, o que também representa um forte argumento para a diversificação de fontes de energia.

Progresso lento ainda objetivos ambiciosos

Apesar de seu tremendo potencial, o setor de energia solar na Arábia Saudita ainda está em estágios iniciais. "A Arábia Saudita ainda está para transformar seu enorme potencial solar em realidade", diz Makio Yamada, pesquisador do Centro Rei Faisal de Pesquisa e Estudos Islâmicos (Riade). Em 2012, o governo revelou planos para investir mais de US$ 100 bilhões em projetos de energia limpa até 2030, a fim de gerar 41GW, um terço de suas necessidades de energia, a partir de recursos renováveis, principalmente energia solar.

No entanto, o governo reduziu drasticamente o programa em janeiro de 2015 e estabeleceu como meta mais renovável 14% da capacidade atual de geração (9,5 GW) até 2030. “A capacidade solar instalada é inferior a um quinto da capacidade dos Emirados Árabes Unidos. atribuído à fragmentação institucional e à falta de colaboração efetiva entre organizações estatais e semi-estatais relevantes ”, acrescenta Yamada.

O recém-lançado documento Visão 2030 apresenta uma forte estrutura regulatória e de investimentos para desenvolver o setor de energia solar da Arábia Saudita, financiado em parte por um fundo soberano de US$ 2 trilhões. “A Visão 2030 destaca a energia renovável como uma prioridade estratégica para a economia da Arábia Saudita que ajudaria na diversificação econômica das receitas do petróleo, aumentando a segurança energética, diversificando o mix energético, liberando petróleo para exportação, reforçando o marco regulatório e apoiando o desenvolvimento da indústria de energia renovável. , abrindo caminho para uma economia de baixo carbono no Reino ”, diz Eaman Abdullah Aman, especialista em energia e escritor saudita.

De fato, o objetivo de longo prazo da Arábia Saudita é tornar-se o principal exportador de energia solar no Oriente Médio e a Visão 2030 deverá desempenhar um papel fundamental na realização desse objetivo. “O que torna a Vision 2030 e a King's Salman Renewable Energy Initiative diferentes dos programas anteriores é que eles representam o compromisso de nível mais alto com a energia renovável já vista do Reino”, enfatiza Nada.

Sob a Iniciativa de Energia Renovável do Rei Salman, o governo revisará a estrutura legal e regulatória para o investimento do setor privado, a fim de incentivar parcerias público-privadas e promover a fabricação local. “As novas metas e estratégia delineadas na Visão 2030 e no National Transformation Plan estão muito em sintonia com as tendências do mix de combustíveis em todo o mundo”, observa Padmanathan.

Ventos da Mudança

A primeira iniciativa de energia renovável do governo saudita foi a criação da Cidade do Rei Abdullah para Energia Atômica e Renovável (KA-CARE) em 2010, que é a agência oficial encarregada de promover a energia limpa no Reino. Uma de suas principais realizações foi o estabelecimento de um projeto fotovoltaico de 3,5 MW no Centro de Pesquisa e Estudos de Petróleo do Rei Abdullah. 

O objetivo de longo prazo da Arábia Saudita é se tornar um dos principais exportadores de energia solar

O primeiro concurso global da Arábia Saudita para projetos de energia solar em escala de utilidade pública foi lançado recentemente - duas usinas solares de 50 MW em Al-Jouf e Rafha. Embora a atual capacidade solar instalada no país seja de apenas 25MW, as principais empresas de energia solar do mundo já estão ativas no mercado local, principalmente devido à promessa e ao potencial do setor solar saudita. “Já temos dois projetos pilotos em andamento: o primeiro é o projeto de irrigação movido a energia solar em Al-Jouf, enquanto o outro é uma usina solar de estacionamento para a Saudia Dairy and Foodstuff Company (SADAFCO) em Riad”, informa Ahmed Nada, Vice-Presidente e Executivo Regional - Oriente Médio na First Solar.

Além da energia solar fotovoltaica, a energia solar concentrada (CSP) é uma opção interessante para a Arábia Saudita, devido à sua forte dependência de usinas de dessalinização para atender às suas necessidades de água. O calor residual de uma usina CSP pode ser usado para energizar projetos de dessalinização de água do mar. Em 2015, a Saudi Electric Company selecionou a CSP para produzir eletricidade com um projeto de 550MW Duba 1, uma usina solar integrada de ciclo combinado localizada perto de Tuba. A planta, ainda em fase de licitação, é projetada para integrar uma unidade parabólica de cerca de 20 a 30MW. 

Perspectivas para o futuro

Devido ao seu domínio regional, a Arábia Saudita pode desempenhar um papel vital na proliferação da energia solar em todo o Oriente Médio. “O Reino precisa urgentemente avançar com seus planos de energia renovável e iniciar a produção de energia solar em grande escala”, diz Padmanathan. “O foco atual é aumentar os níveis de eficiência, reduzir subsídios e cortar gastos do governo e fazer coisas que realmente agreguem valor”, acrescenta.

“A meta da Visão 2030 sugere que o país aumente sua capacidade de energia renovável em incrementos, aproveitando as futuras quedas nos custos e melhorias de eficiência, além de deixar a porta aberta para tecnologias emergentes”, diz Nada. Sob a nova liderança do rei Salman, o país está fazendo um esforço conjunto para desenvolver seu setor de energia renovável. “A reorganização das partes interessadas e tomadores de decisão sobre política de energia e renováveis, sob um único guarda-chuva, deve acelerar o programa de energia renovável da KSA”, observa Nada. A reestruturação do governo, em maio de 2016, colocou as funções administrativas necessárias sob o recém-criado super-ministério, o Ministério da Energia, Indústria e Recursos Minerais, que acabará por pavimentar o caminho para a implementação de projetos de energia solar.

No entanto, existem várias áreas críticas que a Arábia Saudita deve enfrentar para uma transição suave para o mix energético focado em renováveis. “A Arábia Saudita deve adotar uma abordagem consultiva sobre sua estrutura de políticas de energia renovável apoiando parceiros da indústria capazes e confiáveis ​​para compartilhar seus conhecimentos, o que ajudará o país a evitar a curva de aprendizado que outros mercados enfrentaram”, explica Nada. Os credores e financiadores são parte integrante de qualquer indústria, e devem ser devidamente informados sobre o financiamento verde. 

“Será particularmente importante que os bancos e credores do Reino compreendam melhor o setor de energia solar, garantindo que estejam confortáveis ​​para fornecer financiamento competitivo para o programa”, enfatiza Nada.

Também é essencial adaptar os sistemas de energia solar para atender a aplicações específicas de uso intensivo de energia. “A Arábia Saudita poderia fornecer metas de energia solar de longo prazo para certos setores industriais intensivos em energia, como cimento, aço e petroquímica”, diz Nada.

Por fim, uma força de trabalho bem treinada e atuante é crucial para o desenvolvimento do mercado solar. “A Arábia Saudita precisa investir sabiamente no ensino técnico para superar o descompasso entre as escolas e o mercado de trabalho e garantir o fornecimento de recursos humanos com treinamento adequado para a indústria solar”, enfatiza Yamada.

Postar um comentário

0 Comentários