'NATALIA': BARCAÇA PROTÓTIPO HÍBRIDA

NATALIA LOGO SE JUNTARÁ A OUTRAS TRÊS EMBARCAÇÕES-IRMÃS EXPLORANDO ALGUMAS DAS VIAS MENOS CONHECIDAS DO NORTE DA EUROPA.

A primeira barcaça de turismo de seu tipo provou que, se projetados com cuidado, os sistemas híbridos não são apenas mais limpos e mais ecológicos, mas podem igualar ou superar suas contrapartes tradicionais em termos de confiabilidade.

Como o capitão Peter Jenner da Backwater Tours comentou, “Natalia bateu na água e entrou diretamente em serviço sem problemas”. "Isso é quase inédito para o que é basicamente um protótipo", acrescentou o integrador de sistemas e especialista Graeme Hawksley da Hybrid Marine.

“NOSSA FILOSOFIA NÃO É COLOCAR ALGO EXTRA NA CADEIA DE TRANSMISSÃO QUE POSSA FALHAR”: GRAEME HAWSKLEY, HYBRID MARINE

Mais, num dia de sol, pode manter os seus habituais 2 km/h até aos 4 km/h, quase totalmente alimentados pelos painéis solares de 6 kW instalados no tejadilho, com o mínimo de esgotamento do banco de baterias. A propulsão elétrica também pode acelerar o ritmo e entregar 9 km/h em águas frouxas, os motores diesel de quatro cilindros e 3,8 litros cortando para empurrar até 15 km/h nas raras ocasiões em que é necessário correr contra um fluxo intenso.

De fato, depois de um ano de corrida livre de estresse, a proprietária Backwater Tours viu o suficiente para assumir que está apenas no processo de encomendar mais duas.

JUNTAMENTE COM OS MOTORES, O GERADOR DE 49KVA DA NATALIA PODE IMPULSIONAR A BARCAÇA INTEIRA OU PARCIALMENTE EM DIREÇÃO AO BARCO E DIRECIONAR O EXCESSO PARA CARREGAR AS BATERIAS.

Então, como foi alcançado?

Para responder a isso, Hawksley levou MJ em uma excursão pelas duas salas de máquinas, quando o barco parou no Sena, ao sul de Paris.

"Nossa filosofia não é colocar algo extra na cadeia de transmissão que pode falhar." Ele explica que embora existam configurações híbridas paralelas que conectam o motor-gerador entre o motor e a caixa de câmbio, isso significa que para desligar o motor ... e isso significa colocar outra embreagem na linha ”.

Em vez disso, Natalia tem um par de 20kW motor/geradores sentado em cima da caixa de velocidades, conectando-se ao eixo em paralelo com os motores, “o que significa que você pode simplesmente passar para a unidade híbrida, colocando a caixa de velocidades em ponto morto”, disse ele. “Dessa forma, você tem redundância máxima. Mesmo com múltiplas falhas híbridas, você ainda teria o motor capaz de girar o eixo. ”

O CARREGAMENTO ONSHORE DE NATALIA FORNECE A MAIOR PARTE DO PODER. É FORNECIDO POR PONTOS TRIFÁSICOS INDUSTRIAIS PADRÃO; UMA OPÇÃO ATRAENTE PARA AS AUTORIDADES LOCAIS, UMA VEZ QUE REQUER APENAS A EXTENSÃO DE UMA OFERTA INDUSTRIAL TÍPICA

No entanto, tem flexibilidade também. Um gerador de 49kVa pode carregar o banco de baterias quando a energia da costa não estiver disponível: ele também pode impulsionar a barcaça inteira ou parcialmente em direção ao barco e direcionar o excesso para carregar as baterias. "Os consumidores elétricos desligam o barramento CC central, a saída trifásica sendo manipulada por um banco inversor de 60kVA", explicou Hawksley.

Apesar de tudo isso, na opinião de Jenner, Natalia é bastante “direta”, e deu uma pequena demonstração de virar o barco, no meio do rio, sem engajar os motores.

No entanto, deve-se notar que o carregamento em terra fornece a maior parte da energia. Isso, disse Hawksley, “é fornecido por pontos trifásicos industriais padrão”; uma opção atraente para as autoridades locais, uma vez que requer apenas a extensão de um suprimento industrial típico para a orla. Além disso, outros híbridos poderiam usar a mesma infraestrutura: uma estratégia que evita problemas de compatibilidade no longo prazo.

Os próximos dois barcos terão, no entanto, algumas modificações ", já que estamos cortando o banco de baterias pela metade, até 150kWh", explicou Hawksley. Isso resultará em um perfil de carregamento mais rápido e eficaz, o peso reduzido - que representa atualmente dois terços do lastro - permitirá mover o banco para mais perto da propulsão, minimizando alguns dos longos elos de barramento CC. E, claro, deve ser um pouco mais barato também.

NATALIA LOGO SE JUNTARÁ A OUTRAS TRÊS EMBARCAÇÕES-IRMÃS EXPLORANDO ALGUMAS DAS VIAS MENOS CONHECIDAS DO NORTE DA EUROPA.

No momento de escrever Backwater estão em discussões avançadas com o estaleiro original para a próxima construção, disse o gerente regional Craig Jenner. Ele acrescentou que a visão da empresa é ter mais de 20 desses barcos, “afinal, temos 10 mil quilômetros de hidrovias para jogar”.

Também é interessante que a Backwater Tours esteja empenhada em turismo ambientalmente sensível em áreas que podem ter ficado à margem do caminho, “de modo que o barco está viajando para lugares que não foram abertos por muitos anos”, disse o jovem Jenner. Ele acrescentou que Natalia foi "o primeiro navio a entrar no porto de Arras em Somme em 13 anos, fazendo uma página dupla espalhada pelos jornais locais".

Comentários