Peru quer mercado elétrico mais competitivo e sustentável

A Vice-Ministra da Eletricidade do Peru, Patricia Elliot.
Foto: Ministério de Energia e Minas do Peru

O Ministério de Minas e Energia do país pretende realizar uma ampla revisão do quadro regulamentar para o sector eléctrico e vai trazer à discussão a necessidade de avançar em um trabalho planejado e abrangente para o mercado da eletricidade mais competitiva e sustentável, embora nenhuma profiling medidas ainda concretas.

Durante a inauguração do Fórum Empresarial Peru Energy: Inovação em uma indústria que transforma um país , a Vice-Ministra da Eletricidade do Peru, Patricia Elliot, disse que o Ministério de Minas e Energia (MEM) manifestou repetidamente sua preocupação com o iniciativas legislativas que buscam fazer mudanças isoladas no marco regulatório que rege o setor elétrico peruano.

O atual marco regulatório, disse ele, permitiu o desenvolvimento de uma matriz elétrica sustentável (que é baseada na geração de energia térmica e hidrelétrica) e as taxas de eletricidade do país são competitivas, em comparação com outros países da região.

"O regulador, Osinergmin, também se pronunciou contra as mudanças que serão avaliadas novamente na Comissão de Defesa do Consumidor. Ajudaremos este grupo de trabalho a apresentar nossos argumentos e propor uma solução abrangente para o setor elétrico ", afirmou o vice-ministro.

"O contexto gerado pela discussão do PL 2320 evidencia a necessidade de realizar uma revisão abrangente do arcabouço legal do setor elétrico, o que representa um desafio que o MAM assumirá", enfatizou.

O objetivo do MAM é encomendar os estudos necessários para realizar uma revisão abrangente do marco regulatório e estabelecer consenso para alcançar uma nova reforma no setor elétrico, disse o funcionário.

"Mais de 10 anos do Estado atrás, os e agentes reguladores we consenso para construir o quadro regulamentar que permitiu aumentar a oferta de energia eficiente e geração sustentável", lembra Patricia Elliot, referindo-se à chamada reforma "segundo setor elétrico ".

"Desde a última reforma, tem havido uma série de avanços tecnológicos que tornam economicamente viável a geração com fontes renováveis ​​não convencionais (fotovoltaicas e eólicas, entre outras) e de geração distribuída, que acompanharam o crescimento alcançado pelo país. O MEM discutirá a necessidade de avançar em um trabalho planejado e abrangente para que nosso mercado de eletricidade aumente sua competitividade e sustentabilidade ", concluiu o vice-ministro.

Postar um comentário

0 Comentários