Armazenamento de energia poderia ver acampamento de refugiados alimentado inteiramente por energia solar

A empresa sueca Azelio está estudando se o armazenamento pode garantir total autossuficiência para o acampamento de 36 mil homens da Azraq, que já recebe 70% de sua eletricidade da geração solar.

O campo de refugiados de Azraq já funciona em solar em grande medida. Imagem: David Stanley

A empresa sueca de armazenamento de energia, Azelio, está estudando como poderia complementar a geração de energia solar em um campo de refugiados da Jordânia para assegurar a auto-suficiência no local em um desenvolvimento que poderia ter aplicações para comunidades fora da rede mundial.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) já supervisionou a instalação de projetos de geração fotovoltaica que fornecem cerca de 70% das necessidades de energia do campo de refugiados de Azraq, criado em 2014 para pessoas que fogem da guerra civil síria.

Com o corpo da ONU buscando auto-suficiência para o acampamento, que abriga 36.000 refugiados, a Azelio está realizando um estudo de viabilidade para determinar se suas soluções de armazenamento de energia poderiam disponibilizar energia durante a noite no campo.

Azelio, com sede em Gotemburgo, anunciou hoje que apresentará suas descobertas ao ACNUR em Genebra no final do ano.

A infraestrutura

O campo de refugiados de Azraq consiste em quatro aldeias com escolas - cerca de 60% dos habitantes são crianças - centros de saúde, delegacias de polícia, mercados e um hospital.

“É uma honra para a Azelio ajudar o ACNUR a analisar como alcançar 100% de fornecimento de energia renovável para seus campos de refugiados em áreas remotas”, disse Ralf Wiesenberg, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Azelio. “Dar acesso a energia limpa e acessível é uma das metas de desenvolvimento sustentável da ONU e a Azelio está comprometida em participar dessa conquista.”

A notícia vem uma semana depois que os delegados do Fórum de Energia da África, realizado em Lisboa, afirmaram que a economia das mini e micro-redes na África, como estão, garante que tais projetos não sejam viáveis como uma solução para fornecer energia a comunidades fora da rede.

Postar um comentário

0 Comentários