Brasil pode levantar R$ 25 bilhões adicionais (6,5 bilhões de dólares) se as regras de geração distribuída forem mantidas

Se o modelo original da Resolução Normativa nº 482 da ANEEL é mantida, o país deve ter um crescimento de mais de 672.000 novos postos de trabalho única nos segmentos de microgeração fotovoltaica e mini-geração de energia solar distribuída até 2035, de acordo com ABSOLAR.

Uma instalação de geração distribuída. DP World Caucedo

O Brasil pode experimentar um crescimento acelerado da economia se as regras atuais da Resolução Normativa Nº 482 da ANEEL forem mantidas, o que permite que os consumidores gerem e consumam sua própria eletricidade a partir de fontes renováveis. Segundo projeções da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), o país poderá arrecadar R $ 25 bilhões (6,5 bilhões de dólares) em recursos públicos adicionais até 2027.

De acordo com a associação, a permanência das regras em vigor ainda pode estimular a geração de cerca de 672.000 novos postos de trabalho único trabalho nos segmentos de microgeração fotovoltaica e mini-geração de energia solar distribuídos até 2035.

Os dados são coletados em um estudo elaborado pela ABSOLAR e enviado à Agência Reguladora em maio de 2019, durante a Audiência Pública nº 001/2019, da ANEEL. A Audiência discutiu e coletou contribuições da empresa sobre a Análise de Impacto Regulatório (AIR) preparada pela Aneel sobre possíveis melhorias nos padrões aplicados à microgeração e minigeração distribuída no Brasil.

O documento ABSOLAR, ao longo de 158 páginas de análises, estudos técnicos, projeções e recomendações, identifica lacunas e pontos de melhoria no AIR da Aneel. A organização recomenda que a discussão sobre a microgeração e solar fotovoltaica mini-geração distribuída é realizada a partir de uma avaliação abrangente dos atributos da modalidade, destacando os benefícios que o segmento oferece a sociedade brasileira como um todo, incluindo o análise a avaliação dos aspectos econômicos, sociais, ambientais, elétricos, energéticos e estratégicos.

Outro dado relevante do estudo é o aumento de R $ 13,3 bilhões (3,5 bilhões de dólares) em benefícios líquidos para todos os consumidores do setor elétrico até 2035 caso o governo decida manter o atual modelo de REN 482. São os ganhos decorrentes de ter que gerar energia de outras fontes, a redução das perdas de transmissão e distribuição e a redução das contratações de garantias de geração e levar em conta na análise a redução do mercado de distribuidoras de energia elétrica.

O estudo mostra também que, graças ao baixo impacto ambiental da tecnologia solar fotovoltaica, o país também evitará a emissão de 75,38 milhões de toneladas de CO2 até 2035.

Postar um comentário

0 Comentários