Chile emitirá mais títulos verdes após o sucesso da primeira operação

A emissão do primeiro título soberano do Chile, feito na semana passada, resultou em uma taxa de juros historicamente baixa (3,53%) e uma demanda importante de investidores institucionais especializados em títulos verdes. A colocação do novo título verde em dólares com vencimento em 2050 totalizou US$ 1.418 milhões.

Foto: Ministério das Finanças do Chile

O Chile emitiu na semana passada seu primeiro bônus soberano em dólares, com vencimento em 2050, por US$ 1.418 milhões, estabelecendo uma nova referência nesse mercado. A operação foi muito bem sucedida em várias dimensões. Em primeiro lugar, a taxa de juros de 3,53% é a mais baixa obtida pelo Chile com prazo semelhante em sua história, superando a taxa de 3,71% da emissão de 2012. A alíquota de alocação em termos semelhantes também é a mais elevada. cai entre as economias emergentes durante o ano.

Em segundo lugar, o spread de 95 pontos base sobre a taxa do Tesouro dos EUA também foi o mais baixo entre as economias emergentes para emissões ao mesmo tempo.

Terceiro, deve-se notar que esta é a primeira vez que a taxa de alocação em uma emissão em moeda estrangeira é menor do que a estimada com informações do mercado secundário; isto é, uma concessão de taxa negativa de 5 pontos base.

Finalmente, a operação atraiu alta demanda inicial, totalizando US$ 6,7 bilhões, 12,8 vezes o montante oferecido, com a demanda diversificada, não só tipo de investidor, mas também pela geografia.

O ministro da Fazenda, Felipe Larraín, destacou a operação e seus resultados e observou que "a emissão do nosso primeiro título verde demonstra nosso firme compromisso de avançar com ações concretas diante da mudança climática. Em um contexto internacional de maior turbulência financeira, destaca-se a confiança dos mercados internacionais em nosso país, ao premiar com taxas historicamente baixas, mesmo abaixo daquelas equivalentes ao mercado secundário". Na taxa de adjudicação, a demanda era composta por mais de 260 contas de investidores da Europa, Ásia e todo o continente americano.

O green bond foi emitido após a obtenção de uma avaliação positiva do chamado "Green Framework", que foi avaliado com sucesso no final de maio pela Vigeo Eiris. Essa agência internacional independente, especializada em pesquisa sobre questões ambientais, sociais e de governança (ESG), deu ao Green Framework o mais alto grau de segurança no que diz respeito à contribuição dos títulos previstos para o desenvolvimento sustentável. Além disso, a carteira de projetos associada a esta questão obteve a certificação Climate Bond Initiative (CBI), uma organização internacional especializada em padrões de emissões verdes.

O ministro Felipe Larraín explicou que "do montante total emitido, US$ 895 milhões foram utilizados para uma operação de gestão de passivo, através de uma oferta de troca ou recompra de títulos com vencimento mais curto, com o objetivo de fortalecer a nova referência. para 31 anos desta edição, e ajuste o perfil de expiração. "

A autoridade avaliou o trabalho realizado pela equipa do Ministério das Finanças, os subscritores da transação (BNP Paribas, Citibank e HSBC), e assessores jurídicos Cleary, Gottlieb, Steen & Hamilton, internacionalmente, e Morales e Beijo localmente.

Em linha com o anunciado anteriormente pelo Ministro das Finanças, nas próximas semanas que planeja para realizar uma nova emissão de títulos soberanos em euros verdes, completando, assim, a quantidade total de novos empréstimos em moeda estrangeira durante 2019 o equivalente a US $ 1.500 milhões.

Postar um comentário

0 Comentários