Cooperativa de energia solar em Paranavaí

Evento é gratuito, aberto a todos os interessados e será realizado no auditório do Sindicato Rural de Paranavaí, na próxima sexta-feira (28).

Usina fotovoltaica de Paranavaí. (Foto: Divulgação/ TRE Paraná)

“O Cooperativismo na Geração e Comercialização de Energia Elétrica Fotovoltaica” será tema de um evento a ser realizado em Paranavaí, na próxima sexta-feira, dia 28. O assunto será discorrido pelo presidente e pelo vice-presidente da Sinergi Cooperativa, de Maringá, respectivamente, João Garcia Filho e João Paulo Fagundes. A ideia é apresentar a forma de constituição e as vantagens de uma cooperativa voltada para a energia fotovoltaica. 

A iniciativa é da Sociedade Civil Organizada, Sindicato Rural de Paranavaí e a Sinergi, que foi fundada em fevereiro deste ano e é a primeira do Paraná no segmento. Ela nasceu dentro da Sociedade Rural de Maringá.

O objetivo é apresentar como funciona e as vantagem de geradores de energia solar, independente do porte, inclusive o doméstico (micro e mini) se unirem em torno de uma cooperativa. Entre as vantagens está a permissão para comercializar, entre os cooperados, o excedente. A atual legislação autoriza o uso do excedente apenas em outros prédios ou empresas cujo titular tenha o mesmo CPF da unidade principal ou o mesmo CNPJ (filial). A comercialização é vedada. Já através da cooperativa é autorizada entre os cooperados.

O evento é gratuito, aberto a todos os interessados e será realizado no auditório do Sindicato Rural de Paranavaí, a partir das 13h30. Os organizadores solicitam que os interessados confirmem presença através dos telefones 99974-5333, 3045-4082 ou 3423-4848.

PROPOSTA AOS POLÍTICOS – A realização deste evento é mais um desdobramento das ações da Sociedade Civil Organizada, que tem trabalhado para melhorar o sistema de abastecimento de energia elétrica na região e também pela utilização de nova matriz energética, entre elas a solar.

“Paranavaí tem potencial para se tornar o maior polo de energia solar do Paraná”, diz o advogado Edilson Avelar, um dos coordenadores da Sociedade Civil de Paranavaí. Nesta segunda-feira, junto com os demais coordenadores - Ivo Pierin Júnior, Dante Ramos Júnior e Demerval Silvestre - e Claodemir Grolli, diretor do Centro Tecnológico de Mandioca (Cetem), Avelar definia os últimos detalhes do evento.

Continua depois da publicidade

Ele avalia que que o desenvolvimento de Paranavaí, especialmente no que tange a atração de novas empresas do agronegócio e indústrias dependem do abastecimento de energia elétrica de qualidade – o que não vem acontecendo atualmente. Além disso, cita ele, a Sociedade Civil Organizada vislumbra a energia solar como “um atrativo para as empresas, considerando o alto custo da energia gerada a partir das hidrelétricas”.

A instituição lembra que além da vantagem do custo de produção da energia solar, Paranavaí leva outra vantagem: “nossa cidade tem a maior incidência solar do sul do Brasil, ou seja, para se gerar energia aqui o investimento é bem menor em comparação com outras regiões”.

Para se ter uma ideia das vantagens desta matriz energética, na próxima sexta-feira, às 17 horas, o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) inaugura sua usina de energia fotovoltaica que implantou em Paranavaí. Além do Fórum Eleitoral da cidade, a usina vai gerar energia suficiente para atender todas as outras unidades do Estado.

O TRE gastou na implantação das 6.200 placas algo em torno de R$ 9,25 milhões, recurso que vai recuperar em 3 anos, já que a Corte gasta atualmente cerca de R$ 3,2 milhões ano de emergia elétrica. A partir desta inauguração, o Tribunal vai pagar entre R$ 200 e R$ 250 mil ao ano referente ao serviço da rede de distribuição.

A proposta de estimular a instalações de usinas fotovoltaica na região foi apresentada no ano passado, durante a campanha eleitoral, aos candidatos a deputados à cadeiras na Assembleia Legislativa, Câmara Federal e Senado da República. “Não podemos deixar o assunto cair no esquecimento. Vamos promover este evento e esperamos contar com o apoio e a participação de lideranças empresariais, políticas, do agronegócio etc. Temos um enorme potencial e não podemos desperdiça-la”, diz Avelar.

Fonte: Portal da Cidade Paranavaí

Postar um comentário

0 Comentários