O Chile pede para modificar o imposto verde


O imposto sobre o CO2, ou taxa verde, é reconhecido internacionalmente como uma ferramenta poderosa para promover a transição para uma matriz de geração 100% renovável e limpa. No entanto, as distorções com as quais se aplica no Chile e sua baixa quantidade reduzem e praticamente anulam sua efetividade. É urgente modificar a lei tributária para corrigir o imposto e assim atingir as metas do governo e do IPCC.

Carlos Finat, diretor executivo da Associação Chilena de Energia Renovável e Armazenamento, lançou uma carta aberta em que ele defende a modificação da lei fiscal para corrigir o "imposto verde". Na verdade, sua carta é intitulada "O imposto verde que as energias renováveis ​​continuam a pagar":

Durante o presente ano, 60% da energia elétrica foi gerada com combustíveis que emitem CO2 e poluentes locais. O desafio apresentado pelo presidente Sebastian Piñera, em consonância com as exigências do IPCC - órgão da ONU responsável pela crise climática - é atingir zero de emissões líquidas de CO2 antes de 2050. A geração elétrica é responsável por mais de 20% das emissões de CO2 do nosso país. Esse peso, somado à grande disponibilidade de energia renovável e limpa no Chile, significa que o setor de geração oferece um grande potencial na mitigação de emissões sem custos adicionais.

O imposto sobre o CO2, ou imposto verde, é reconhecido internacionalmente como uma ferramenta poderosa para conduzir a transição para uma matriz de geração de 100% renovável e limpo. No entanto, as distorções aplicado no Chile e na sua baixa quantidade, reduzir e praticamente anular a sua eficácia. É urgente alterar a lei fiscal para corrigir o imposto e, assim, alcançar os objetivos do governo e do IPCC. Deve incluir o custo do imposto sobre o CO2 no custo variável da estação central para o sistema elétrico favorece o uso de pagar menos imposto -por assim mais limpos- e também para evitar o imposto a pagar é reduzido o sistema de compensação, como o presente, o que requer geradores renováveis ​​que não emitem, para pagar 6.971 milhões de pesos, o equivalente a 42% do valor de compensação.

A oportunidade é agora e esperamos que o Parlamento e o Governo tenham em mente a urgência de proceder a estas modificações, a fim de avançar para a redução das emissões necessárias, aproveitando os nossos vastos recursos renováveis.

Carlos Finat D. 
Diretor Executivo 
Associação Chilena de Energia Renovável e Armazenamento 
ACERA AG.

Postar um comentário

0 Comentários