O Sindicato das Energias Renováveis ​​do Chile propõe melhorias para o novo Ministro da Energia

Alguns dos principais tópicos discutidos na ocasião foram a situação do setor de PMGD, as correções fiscais verdes e a importância de avançar para uma lei de flexibilidade.

A planta Homero Solar de Verano Capital, no Chile. De Stock: Capital do verão

Quinta-feira 13 junho, o presidente do Chile, Sebastián Piñera fez sua segunda reforma ministerial tão longe de seu período onde o ministro Susana Jimenez deixou a carteira de Energia, substituído por Juan Carlos Jobet, que era subsecretário de Habitação e ex-Ministro do Trabalho no primeiro governo de Sebastián Piñera e que mais tarde atuou como Presidente do Conselho de Administração da AFP Capital até o início de 2019.

Neste contexto, a Associação Chilena de Energias Renováveis ​​e Armazenamento, Passeio, presidido por José Ignacio Escobar e CEO, Carlos Finat, solicitou uma reunião com os novos personero introduzir calçada e para levantar as linhas de trabalho da Associação que reúne toda a cadeia de valor do setor renovável.

A reunião girou em torno dos desafios que foram recentemente assumidos Ministro da Energia, para alinhar os eixos para trabalhar dentro da carteira e da calçada desafios ver para este e para os próximos anos de governo, como o fortalecimento do setor de geração distribuídos (PMGD), a correção do Imposto sobre Emissões de CO2 (imposto verde) e a importância de avançar para uma lei de flexibilidade que permita a maior expansão da geração renovável.

O novo ministro, valorizou esse tipo de instituição como indispensável para fomentar sua agenda de longo prazo, além de abrir espaço para um constante diálogo entre as associações que representam o setor energético e seu portfólio. "É muito importante para o Ministério da Energia, e em particular para mim, manter um trabalho próximo e constante com as diferentes associações, a fim de progredir de forma ordenada e transparente em todas as questões pendentes do setor. Eu sou da política de "portas abertas" e espero que continuemos a trabalhar daqui em diante ", disse o ministro da Energia, Juan Carlos Jobet, durante a reunião.

Por sua parte, o diretor executivo da ACERA, Carlos Finat, disse que "a reunião realizada com o ministro Jobet foi muito produtiva. Além de apresentar oficialmente nossa Associação, pudemos chegar a um acordo sobre as medidas a serem tomadas para levar adiante os temas de interesse comum entre o Ministério e os renováveis. Agradecemos imensamente a sua abertura para discutir os vários assuntos de interesse da ACERA e sua intenção manifesta de avançar com a regulamentação do setor ".

Na mesma linha, o vice-presidente do sindicato, Manuel Tagle, acrescentou que "ficamos com um sentimento muito positivo após a primeira reunião com o ministro da Energia. Tivemos o espaço para apresentar os principais desafios do setor que representamos, que também é fundamental na transição para uma matriz de emissão zero, e em todos os casos uma excelente disposição foi vista pela autoridade, deixando abertos os espaços para o diálogo seguir avançando ".

Para a ACERA, o encontro com o novo chefe do portfólio de energia foi muito positivo, pois foi alcançado um diálogo amplo e sincero, onde ambas as partes concordaram em buscar as melhores formas de participação para avançar as barreiras presentes atualmente no setor de energia renovável. através de um trabalho organizado e conjunto.

Postar um comentário

0 Comentários