Parques Eólicos - A energia que renova as cidades: vento em favor em Teruel e Muniesa


Vento a favor em Teruel

Os 55 metros da torre mudéjar da Igreja Nossa Senhora da Assunção dominam a paisagem da cidade de Muniesa e Teruel. Nos últimos meses, novos "vizinhos" cresceram na periferia do município. Eles nunca serão um monumento nacional, como a formidável torre de tijolos octogonais, mas trazem novos ares ao município. Os 38 moinhos de vento que estão sendo construídos no nó Muniesa, entre esta cidade e a vizinha Alacón, estão dando oxigênio à economia local.

"Desde que as obras começaram em outubro do ano passado, mais vida tem sido vista na cidade. Há mais pessoas no bar, mais movimento. Neste momento, na cidade não há uma casa livre, houve até uma floresta nova que teve que percorrer 40 km daqui porque todas as casas estão alugadas", diz José Luis Iranzo, prefeito de Muniesa.

A construção dos três parques eólicos significou uma pequena revolução para esta cidade na região das bacias de mineração de Teruel, uma cidade com 610 habitantes contados entre aqueles que, entre 450 e 480, residem no município. A maioria é dedicada à agricultura de sequeiro, focada no cultivo de cevada e gado, especialmente na criação de ovinos. A província de Teruel perdeu metade de sua população no último século, mas não desiste. "Teruel existe e sempre existirá. Somos pessoas duras e estamos nos adaptando às novas tecnologias ", diz Iranzo.


Mais empregos

O que eles também estão se adaptando é o novo horizonte Muniesa pontilhado com moinhos de vento que "as pessoas se acostumam a longo prazo", diz ele. Em troca da transformação da paisagem, há novas rendas para a prefeitura, para os vizinhos que alugaram a terra e para os negócios da cidade. Entre 80 e 100 trabalhadores chegaram a Muniesa para suspender as turbinas eólicas dos parques eólicos construídos pela Enel Green Power España (EGPE), a divisão de energias renováveis ​​da Endesa. "Muitas pessoas que estavam na aldeia estão trabalhando com as empresas de construção e até mesmo pessoas das aldeias vizinhas vieram trabalhar aqui", disse o prefeito.

Um dos vizinhos que mais notou a mudança provocada pela construção dos novos parques eólicos é Manuel Torralba , gerente do Hostal Rosa Mari. "O trabalho triplicou. Antes estávamos entre 50-60 refeições por dia e agora damos entre 160 e 170. E os 16 quartos do albergue os têm cheios ", diz ele. Manuel lembra que os trabalhadores começaram a chegar em setembro do ano passado, um mês "tranqüilo", mas desde outubro a atividade disparou e, para os funcionários da construção do parque, os trabalhadores que vieram renovar o sistema de iluminação da Muniesa, um dos compromissos adquiridos pela EGPE para fechar o acordo de levantamento dos parques eólicos.

Manuel, uma "orquestra de homens" do ramo hoteleiro que muda da cozinha para o bar e do bar para a sala de jantar com a facilidade que lhe dá 40 anos de experiência no negócio da família, puxa números para ilustrar a mudança provocada por a instalação do parque eólico: "Antes nós éramos cinco ou seis pessoas que trabalham no albergue. Agora somos nove ", enfatiza.

O parque empregou diretamente 14 moradores de Muniesa, um número que equivale a 35, se você considerar os habitantes das aldeias vizinhas e que chega a 616 adicionando empregos indiretos gerados.


Novas oportunidades

A fase de construção é a que irá gerar o maior impacto em termos de emprego, mas os parques eólicos trarão outros benefícios para a Muniesa. José Luis Iranzo ressalta que a iluminação das ruas está mudando para a tecnologia LED, que também será usada para iluminar os edifícios públicos de forma mais eficiente. O conselho da cidade detalhou a Enel Green Power o tipo de iluminação que você quer e não vale a pena ninguém, porque a Muniesa quer fazer parte da rede de locais de referência no "turismo das estrelas". A baixa densidade populacional se traduz em noites escuras, sem a poluição luminosa típica das grandes cidades, o que torna impossível apreciar a vista do céu estrelado. Em Muniesa as estrelas são vistas e, como o vento, podem trazer benefícios aos seus habitantes.

Além dos 550.000 euros que a subsidiária Endesa vai investir nesses planos compartilhados criação de valor e de engenharia sustentável no nó de Muniesa, receitas que serpenteiam fazendas irá gerar para os cofres públicos por meio de impostos abrem novas possibilidades para a cidade . "Vamos fazer estudos para ver se podemos reduzir os impostos e estamos analisando a possibilidade de mudar o sistema de esgoto", diz ele.

No entanto, na cidade eles estão de olho além da fase de construção que terminará no final deste ano. O prefeito de Muniesa insiste na importância de os vizinhos serem treinados em tudo relacionado à energia renovável para ter um futuro no setor. "As empresas têm que se mudar e, neste caso, fizeram isso, para facilitar os cursos", o que pode levar a empregos fixos para os moradores da região, diz ele. E do consistório admitir que o que eles gostariam é de implementar alguma indústria relacionada a turbinas eólicas no município.

Atualmente, a fábrica da Molduras Muniesa é a única indústria da cidade. Nos anos 90 o fabricante de brinquedos La Ilusión fechou, o que por anos gerou uma atividade significativa na área. Iranzo se lembra de quando era pequeno e veio para Muniesa de sua terra natal, Barcelona. "Contanto que você desceu a rua você viu avós quando frescas na rua" por plastiquitos "como dissemos, bordas e todos os tipos de tarefas decorrentes da fábrica de brinquedos atividade de corte." Sua aspiração agora é construir um navio para que uma empresa relacionada a turbinas eólicas possa ser instalada em Muniesa, aproveitando o fato de que se tornará um foco para a implantação da energia eólica. O objetivo: que o vento deixe sua marca na cidade.

RESUMO DO PROJETO:

Os três parques eólicos (Muniesa, Farlán e San Pedro de Alacón) que a divisão de energia renovável da Endesa, a Enel Green Power España, está construindo, terão capacidade de 128 megawatts (mw).

As 38 turbinas eólicas planejadas estarão em operação no final de 2019 e envolveram um investimento de mais de 128 milhões de euros.

Do total, 46,7 milhões serão destinados ao Parque Muniesa, que terá 46,8 MW de energia; 40,3 milhões para Farlan, com uma potência de 41,4 mw e 41,6 milhões de euros para o Parque San Pedro de Alacón, que terá uma capacidade total de 39,9 mw.

Quando totalmente operacional, irá gerar 412 horas de capacidade gigawatt (GWh) por ano, equivalente ao consumo anual de mais de 100.000 famílias, uma energia gerada a partir de fontes renováveis ​​vai evitar a emissão para a atmosfera de 270.000 toneladas de CO2.

616 pessoas trabalham no projeto, entre empregos diretos e indiretos.

Um total de 550.000 euros será atribuído a planos para a criação de valor compartilhado para a comunidade: sistemas de iluminação eficientes e edifícios públicos e um projeto de bombeamento de água usando energia fotovoltaica.


Comentários