Camboja aprova quatro projetos fotovoltaicos totalizando 140 MW

O governo do país decidiu aprovar os quatro novos projetos, variando em tamanho de 20 MW a 60 MW, em resposta ao aumento da demanda de energia. Além disso, anunciou que o projeto de 60 MW que ofereceu no início do ano está previsto para iniciar operações comerciais em agosto.

Imagem: kolibri5, pixabay

O conselho de ministros do Camboja anunciou sexta-feira que aprovou quatro novos projetos de energia solar em grande escala, com capacidade total de 140 MW.

Os projetos, que foram apresentados pelo grupo local Schneitec Infinite, a fabricante de painéis chinesa Risen Energy, a Ray Power Supply e a Green Sustainable Ventures, serão construídos em uma base Build-Own-Operate (BOO).

Um parque solar de 20 MW estará localizado na província de Bavet, enquanto outro projeto de 60 MW será construído na província de Battambang, e duas instalações adicionais de 30 MW serão instaladas nas províncias de Pursat e Banteay Meanchey.

O governo cambojano também revelou que o parque solar de 60 MW em Kampong Chhnang, que foi licitado no início deste ano, pode ser concluído em agosto. O projeto é a primeira fase de um projeto do Parque Solar Nacional de 100 MW que foi lançado em junho de 2017.

Todos esses projetos fazem parte da estratégia do governo para responder à crescente demanda de energia do país. Segundo as autoridades cambojanas, espera-se que a demanda de eletricidade no país cresça dos atuais 1,5 GW para 2,3 GW até 2020 e 2,8 GW megawatts até 2021. Até agora, as importações de energia do Laos, do Vietnã e da Tailândia estão ajudando o país a crescer. exigem.

O Camboja tem atualmente apenas um parque solar operacional, um projeto de 10 MW do Sunseap em Bavet, uma zona econômica especial do Camboja, na província de Svay Rieng, perto de sua fronteira com o Vietnã.

Camboja emitiu novas regras para a integração da energia solar em janeiro de 2018. A demanda de energia do país é atualmente coberta por energia hidrelétrica e carvão, que representam cerca de 48% e 47% da geração, respectivamente.

Postar um comentário

0 Comentários