Colômbia concederá PPAs mais longos em leilão de energias renováveis

Já adiada de junho para 30 de setembro, a aquisição será realizada até o final de outubro. O exercício estará aberto a novos projetos de energias renováveis ​​com mais de 5 MW de capacidade de geração. Os desenvolvedores selecionados receberão contratos de energia de 15 anos em vez dos acordos de 12 anos oferecidos na tentativa abortada de fevereiro.

Os termos do exercício adiado duas vezes foram alterados. Imagem: alphastockimages.com

O Ministério de Minas e Energia da Colômbia publicou novas regras para o próximo leilão de energia renovável. Originalmente planejado para junho, depois adiado para 30 de setembro, o leilão será realizado até o final de outubro, de acordo com um comunicado do ministério.

O exercício de compras estará aberto a novos projetos de energia renovável com mais de 5 MW de capacidade de geração, com cada projeto precisando fornecer eletricidade durante três diferentes blocos de tempo predefinidos para garantir a segurança do suprimento.

Os contratos serão elaborados com base em 'take or pay', com o comprador obrigado a comprar energia contratada, independentemente de ser usada e o gerador ter que fornecer uma quantidade fixa de eletricidade. Os projetos bem-sucedidos garantirão um contrato de compra e venda de energia (PPA) de 15 anos e os projetos deverão entrar em operação em 1º de janeiro de 2022. No leilão falhado realizado em fevereiro , os PPAs em oferta tiveram uma duração de 12 anos.

Os contratos serão denominados em pesos colombianos e atualizados com base no Índice de Preços ao Produtor certificado pelo Departamento Administrativo Nacional de Estatística da Colômbia.

Preço de teto para energia

O regulador de energia CREG estabelecerá um preço máximo para o leilão e definirá os requisitos da concorrência, descrevendo o número de licitantes e a escala de capacidade necessária para participar de concursos bem-sucedidos.

Os termos do concurso foram alterados após o exercício falhado de fevereiro. Na época, a Unidade Nacional de Planejamento de Energia e Mineração da Colômbia disse que nenhum projeto foi selecionado, pois muitos não cumpriram os termos de licitação estabelecidos pelo CREG, particularmente com relação à concentração de prêmios do projeto entre as entidades licitantes.

Em fevereiro, 15 empresas apresentaram propostas para 22 projetos: 17 solar, juntamente com quatro projetos eólicos e uma instalação de biomassa.

“Na definição das novas regras, consideramos as observações e comentários dos diferentes stakeholders e agentes do setor para encontrar o melhor equilíbrio de condições para vendedores e compradores, além de beneficiar os consumidores”, disse a ministra de Minas e Energia, María Fernanda Suárez. .

Postar um comentário

0 Comentários