Financiamento islâmico inclinado a emergir como grande participante no investimento fotovoltaico

Em todos os cantos do globo, os mercados estão experimentando uma necessidade crescente de capital para apoiar os ativos de energia renovável. Além dos empréstimos convencionais, títulos e esquemas de ações, os instrumentos de financiamento em conformidade com a sharia, como o Sukuk, servem como um catalisador para o financiamento de projetos de PV, segundo a Deloitte.

Imagem: Scatec Solar

Como o financiamento sustentável continua sua tendência ascendente em todo o mundo, o Sukuk verde emergiu como um instrumento correspondente no campo das finanças islâmicas. De acordo com a firma de contabilidade Deloitte, o aumento na adoção do Sukuk verde para financiar renováveis ​​é atribuível a vários fatores, incluindo: o aumento de projetos de energia renovável, particularmente projetos de energia solar, baixos custos de capital, políticas favoráveis ​​de energia verde eo fato de que é um instrumento compatível com a sharia.

Uma vez que a lei islâmica proíbe juros e, portanto, instrumentos de dívida ocidentais tradicionais, a Sukuk foi criada para vincular os retornos e fluxos de caixa do financiamento da dívida a um ativo específico que está sendo comprado. Ao contrário dos detentores de bônus, os detentores da Sukuk recebem uma parte dos lucros gerados pelos ativos subjacentes.

Com as decisões de financiamento de energia solar e verde afetadas pelo contínuo impacto global de esmagamento de crédito, como as exigências de capital regulatório bancário, as empresas estão buscando ativamente fontes alternativas de financiamento, como títulos verdes ou Sukuk verde, afirma a Deloitte. Enquanto a energia solar continua a entrar em uso corrente em vários países da Organização da Cooperação Islâmica (OCI), um relatório intitulado Can Sukuk se tornará um impulsionador do crescimento da energia solar? analisa 10 casos de países na Ásia (Malásia, Indonésia, Paquistão), Oriente Médio (Reino da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Jordânia e Marrocos) e Europa (Turquia e Cazaquistão) e considera que o financiamento islâmico será considerado um das principais estratégias de financiamento no próximo ano.

Primeiros motores

Com o investimento global em energia renovável na trajetória ascendente - crescendo de US$ 200 bilhões em 2008 para US$ 332 bilhões em 2018, de acordo com a Bloomberg NEF, novos veículos de financiamento são cada vez mais adotados. O mercado de dívida sustentável em si tem se fortalecido nos últimos dois anos. Segundo a BNEF, a emissão de produtos de dívida sustentáveis ​​subiu 26% para um recorde de US$ 247 bilhões no ano passado, com títulos verdes emitidos no valor de US$ 182,2 bilhões.

Os novos veículos de financiamento estão sendo acoplados a políticas favoráveis ​​em alguns países. Olhando para a região do Conselho de Cooperação do Golfo, os mercados observaram uma tendência crescente nos últimos anos, à medida que todos os países incorporaram metas de energia renovável em suas Contribuições Nacionais Determinadas (NDCs) sob a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática.

Como uma das técnicas de financiamento alternativo para projetos de energia verde, a Sukuk foi usada em cinco projetos de energia renovável na Malásia (em dezembro de 2018), incluindo três painéis solares desenvolvidos pela Scatec Solar da Noruega após emitir 1.000 milhões de ringgits (US$ 237 milhões). vínculo islâmico verde. Enquanto isso, a Indonésia lançou o primeiro título soberano Sukuk verde do mundo, no valor de US$ 1,25 bilhão, em fevereiro de 2018, cujos recursos financiarão parcialmente os projetos de energia renovável.

A Deloitte espera que a busca por mais Sukuk e outras estruturas de financiamento islâmico, como Murabah, Ijarah e Mudaraba, em projetos greenfield, continuem a desempenhar um papel importante no cenário de investimento da indústria de energia solar. Os Emirados Árabes Unidos e o Reino da Arábia Saudita estão inclinados a liderar na região do GCC, seguidos pela Jordânia, Egito, Malásia, Indonésia e Paquistão. "Outros países seguirão o exemplo, à medida que o mercado amadurecer e se tornar um motor da economia verde nessas regiões", afirma o relatório.

Indústria de topografia 

Embora o relatório argumente que os instrumentos de financiamento islâmico assumirão um papel fundamental na indústria, os resultados de uma pesquisa on-line realizada pela Deloitte entre líderes de negócios e finanças não mostram que a tendência ainda está em andamento.

A pesquisa constatou que menos de 20% dos entrevistados estavam envolvidos no financiamento islâmico de um projeto solar, mas 16,55% planejavam explorar em um futuro próximo. Apenas 7% dos entrevistados achavam que instrumentos financeiros islâmicos como Mudarabah e Sukuk seriam a maneira ideal de investir em projetos de energia solar, com 43% acreditando que as Parcerias Público-Privadas (PPPs) eram as mais adequadas para financiar projetos, seguidos pelos sindicatos bancários tradicionais e financiamento público.

Para aqueles que consideram as finanças islâmicas, os investimentos baseados em capital (62,9%) e os baseados em dívida (28,78%) foram considerados pelos entrevistados como as melhores opções para investir em energia solar. Um pequeno número de entrevistados sugeriu que a opção diversificada entre dívida e patrimônio líquido poderia ser um bom método, em vez de investir apenas em um tipo de instrumento financeiro.

Postar um comentário

0 Comentários