Indústria solar conta com sete alegações de direitos humanos

O Centro de Recursos Empresariais e Direitos Humanos publicou um relatório analisando o desempenho da devida diligência em direitos humanos da indústria de energias renováveis ​​e examinou os métodos de geração individual. O relatório conclui que, embora o setor solar não esteja no topo da lista triste, seu colete também não está completamente sem manchas.

Uma visão geral dos participantes durante o 29º Período Ordinário de Sessões do Conselho de Direitos Humanos. 3 de julho de 2015. Imagem: Nações Unidas / Jean-Marc Ferré

Os investidores têm sido fundamentais para impulsionar a transição energética global, já que investimentos significativos em energia renovável, juntamente com desinvestimentos da indústria de combustíveis fósseis, finalmente permitiram que os renováveis ​​prosperassem. Da mesma forma, os investidores desempenham um papel fundamental na garantia de que a indústria não apenas tem bom desempenho em termos de redução de emissões de carbono, mas também assegura que a indústria defenda altos padrões de direitos humanos e não viole os direitos daqueles que trabalham ou são afetados. pela indústria.

A organização não governamental sediada no Reino Unido e nos EUA Business and Human Rights Resource Center (BHRRC) divulgou um briefing aos investidores Fast & Fair Renewable Energy Investments examinando os riscos dos direitos humanos relacionados com a energia renovável, com a quebra do subsector.

A organização diz que seu briefing se destina a informar os investidores, permitindo-lhes tomar decisões justas. Para este fim, 109 empresas de energia renovável foram pesquisadas. Neste documento, o BHRRC identificou 152 alegações de violações dos direitos humanos relativas a projetos de energia renovável e solicitou a 103 empresas que respondessem a essas alegações.

Revisão do setor solar

O setor de energia solar enfrentou sete alegações; uma no México, uma no Marrocos e no Saara Ocidental e uma série de cinco reivindicações em Israel e na Palestina.

Certos riscos são específicos do setor para a indústria solar. A revisão do BHRRC revelou alegações que violaram os direitos dos povos indígenas, como a falta de consentimento livre, prévio e informado (CLPI); Em alguns casos, registros de deslocamento e perda de meios de subsistência foram registrados. Nos casos do Saara Ocidental e dos territórios palestinos, há preocupações sobre os negócios em áreas afetadas por conflitos. Além disso, a vigilância dos direitos humanos identificou riscos no campo da saúde e segurança dos trabalhadores e do meio ambiente devido ao descarte inseguro de módulos e direitos trabalhistas insuficientes em instalações de fabricação de módulos.

Acima dessas preocupações, a indústria solar também corre o risco de contribuir para as violações dos direitos humanos por meio de uma revisão insuficiente da cadeia de fornecimento de minerais necessária para os módulos e outros produtos solares. Segundo a BHRRC, “a mineração de cobre, níquel e zinco usada em painéis solares está associada, em alguns casos, à diminuição do acesso à água para as comunidades locais, ao aumento de casos de doenças relacionadas à mineração e poluição ambiental”. Nesse sentido, as menções do BHRRC que, especialmente com tecnologias de armazenamento, através da demanda por cobalto contribuem para o trabalho infantil e violações dos direitos dos povos indígenas.

A questão provavelmente está profundamente enraizada na cadeia de fornecimento, uma vez que a BHRRC examinou os cinco maiores produtores globais de cobre, níquel e zinco. Em sua análise, a organização descobriu que 92% das empresas de mineração por trás dos cinco produtores globais tinham alegações de abusos de direitos humanos contra elas, apesar de 83% terem políticas de direitos humanos disponíveis publicamente. A BHRRC afirma que “isso indica um desalinhamento entre políticas e práticas no terreno, aumentando a necessidade de uma rigorosa auditoria dos direitos humanos pelos investidores”.

Em 2018, o Centro de Recursos sobre Direitos Humanos e Negócios entrevistou 32 empresas de energia solar, de desenvolvedores de projetos a fabricantes de componentes. Destes 14 abertamente comprometidos com os direitos humanos, oito tinham consultas em andamento com as comunidades afetadas, oito haviam estabelecido um sistema de denúncia de queixas para trabalhadores ou comunidades afetadas por um projeto, e dez haviam se comprometido com os direitos trabalhistas.

E o resto da matilha?

A energia eólica enfrenta 22 alegações contra abusos dos direitos humanos, 14 das quais dizem respeito a operações no México. Marrocos e Saara Ocidental tem um, assim como a Suécia. Taiwan tem quatro alegações e o Quênia dois. A bioenergia enfrentou cinco alegações; dois no Brasil, um na República Democrática do Congo, um no Quênia e um em Moçambique. Geotérmica enfrentou uma alegação no Quênia e uma na Indonésia.

O relatório inclui hidrelétricas de grande e pequena escala em sua revisão de energia renovável, uma vez que vários investidores continuam a classificar grandes fontes de energia renováveis ​​e hidrelétricas. Como o objetivo do briefing é informar os investidores sobre como cumprir os padrões de due diligence de direitos humanos, a classificação como fonte de energia renovável faz sentido neste caso. Dentro da energia hidrelétrica, a organização de direitos humanos relatou 110 alegações de abusos de direitos humanos contra 67 empresas. No Laos, os autores contaram onze denúncias, na Colômbia, Guatemala e Honduras, oito alegações em cada país, na Malásia, quatro denúncias e três relatos em Mianmar, México e Brasil, para citar apenas a ponta do iceberg.

De acordo com o briefing, 2018 marcou o ano em que a organização abordou o maior número de empresas em relação a abusos de direitos humanos - 30 - desde o início de tais reportagens em 2010. As regiões com maior número de denúncias são a América Latina (91 denúncias). desde 2010, 60% das alegações globalmente) e sudeste da Ásia (38 alegações desde 2010, 25% das alegações) a nível mundial.

Postar um comentário

0 Comentários