Placas de captação de energia solar serão instaladas na Feira do Guará


As discussões sobre o Brasília Solar, programa que incentivará o uso de energia sustentável no DF, estão avançando. O projeto que prevê o uso de placas fotovoltaicas para converter luz do sol em energia elétrica deve ser lançado oficialmente, por meio de decreto, ainda no segundo semestre de 2016.

Encabeçados pela Secretaria do Meio Ambiente, membros do grupo de trabalho criado em março — do qual fazem parte órgãos do GDF entidades e organizações sociais — desenvolvem projetos que servirão como base para o programa. Um deles tem como objetivo instalar placas em metade do telhado da Feira do Guará, o que corresponde a 7 mil metros quadrados.

Um dos idealizadores do projeto, o presidente da Associação Comercial Varejista da Feira do Guará, Cristiano Jales, explica que a mudança representaria benefícios para os cerca de 500 comerciantes que trabalham nos 636 boxes comerciais do espaço. “Conseguiríamos diminuir os custos para o Estado e a inadimplência dos feirantes — que têm de arcar com o valor do condomínio — e aumentar a qualidade energética”, pontua.

A área é administrada pelo GDF em parceria com a associação. A ideia é que os custos de instalação e de manutenção da nova estrutura sejam financiados por alguma instituição financeira que assuma o compromisso por meio da entidade. “Também acabaria com o problema das goteiras, outra demanda antiga dos trabalhadores”, afirma o representante dos feirantes.

Eficiência energética

Para o administrador regional do Guará, André Brandão, a medida também pode dar mais visibilidade para o local. “Temos condição de virar modelo de eficiência energética para o DF e para o Brasil”, ressalta. De acordo com ele, o potencial turístico da feira, assim com o caráter sustentável da proposta, transformaria a realidade daqueles comerciantes e da cidade. “Esse exemplo seria apenas mais uma prova que a cidade deve insistir em energias renováveis”, conclui.

A ideia é garantir que o espaço funcione dessa forma por pelo menos 25 anos, por meio de termo de permissão. O valor estimado do investimento é de R$ 7 milhões.

Brasília Solar

O secretário do Meio Ambiente e presidente do grupo de trabalho do Brasília Solar, André Lima, reforça que, para colocar esse e outros projetos demonstrativos do programa em prática, será preciso checar a viabilidade jurídica e financeira. “Pensamos em modelos de instalação e em arranjos para a captação dos recursos”, afirma. Para isso, há um subgrupo que trabalha na planilha de custos.

Além da Feira do Guará, há uma proposta para compensação energética em um condomínio do Jardim Botânico. Outras sugestões, em fase de levantamento e avaliação, visam produção de energia solar em hospitais e unidades de pronto-atendimento da rede pública — que funcionam por meio de caldeiras — e em todas as unidades de ensino administradas pela Secretaria de Educação.

“Também articulamos com a Companhia Energética de Brasília [CEB], com a Universidade de Brasília e com a Centrais Elétricas do Norte do Brasil [Eletronorte] um estudo sobre o potencial de produção de energia sustentável no lixão da Estrutural”, adianta o secretário.

Lima destaca como parte essencial do Brasília Solar o investimento em treinamento de técnicos para instalação e montagem das placas fotovoltaicas em um novo curso da Fábrica Social, em parceria com Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Em setembro, 150 alunos começam as aulas de capacitação.

Postar um comentário

0 Comentários