Começa a construção da maior usina solar do Chile

A usina fotovoltaica Campos del Sol, da Enel Green Power, terá capacidade instalada de 382 MW. Localizado na região de Atacama, estará operacional até o final de 2020 e representa um investimento total de cerca de 320 milhões de dólares.

Imagem: Converter

A Enel, através de sua subsidiária renovável Enel Green Power Chile, iniciou a construção de sua nova usina solar fotovoltaica Campos del Sol. Com aproximadamente 382 MW de capacidade instalada, atualmente é a maior usina solar em construção no Chile. O projeto, localizado a 60 quilômetros a nordeste de Copiapó, na região de Atacama, envolverá um investimento total de cerca de 320 milhões de dólares.

Campos del Sol entrará em operação no final de 2020 e estima-se que gere cerca de 1.160 GWh por ano, evitando a emissão de mais de 900.000 toneladas de CO2 na atmosfera. A instalação terá cerca de um milhão de painéis fotovoltaicos bifaciais, uma tecnologia que maximiza a geração de energia capturando radiação solar de ambos os lados do painel, gerando uma média de 12% a mais de eletricidade que os módulos convencionais.

De acordo com a Enel em comunicado à imprensa divulgado na segunda-feira, o trabalho de Campos del Sol contará com máquinas de ponta guiadas e controladas por GPS, enquanto uma aeronave de controle remoto autônomo controlará remotamente as atividades de trabalho, o que aumentará a produtividade e eficiência do processo de construção da planta.

Como parte do processo de desenvolvimento, a Enel Green Power Chile iniciou um diálogo permanente com cinco comunidades indígenas Colla locais, que incluíam cerca de 100 pessoas, para identificar a mitigação de impacto e como esse projeto pode gerar valor para essas comunidades. Como resultado desse processo, está sendo realizado um plano compartilhado com projetos de curto, médio e longo prazo, alinhados às prioridades das comunidades e aos objetivos sustentáveis ​​da empresa, como iniciativas de turismo sustentável desenvolvidas em colaboração com a ONG chilena Fundación Rondó.

Postar um comentário

0 Comentários