Costa Rica com a melhor classificação entre os países da América Latina no Índice de Preparação para Mudança de 2019

A implementação de Energias Renováveis ​​projeta uma das categorias de análise que moldam a classificação preparada pela KPMG International.

A biodiversidade da Costa Rica, uma das maiores do mundo - Fotos: Gilberto Zarco, San José da Costa Rica

A evolução do país da América Central registrou-se nos últimos anos, um nível excepcional em diversas áreas que moldam o bem-estar econômico, social, cultural e ambiental de sua população. Um desenvolvimento bastante identificável na América Latina e excepcional na região da América Central.

A KPMG, uma das consultorias mais representativas do mundo dos negócios internacionais em seu capítulo no México, compartilha com a pv-magazine Latin America, um de seus relatórios de negócios com maior impacto: The Change Readiness Index 2019 (CRI) , por suas siglas em inglês).

As conclusões que ele oferece foram obtidas de um estudo realizado em 140 países, que revela sua capacidade de lidar com as mudanças em geral e, dessa maneira, como eles se preparam para reagir à crise climática.

A Costa Rica é a que possui os melhores níveis de classificação entre os países da América Latina, ocupa a 32ª posição, o Uruguai é seguido pelo site 38, Chile com 39 anos, Panamá com 52, Panamá com 52, Paraguai com 64, Colômbia com 71, México na posição 73, Peru em 74, Brasil no local 87, Guatemala em 90 e Equador em 97.

A seguir, é apresentado seu relatório executivo sobre o Índice de preparação para mudança de 2019.

KPMG International

O ritmo acelerado com o qual o mundo é transformado determina a necessidade de estar sempre preparado para mudanças. Questões geopolíticas, tecnológicas e até climáticas são os fatores que os países desenvolvidos e em desenvolvimento devem colocar em sua agenda política para aproveitar oportunidades, gerenciar riscos e desenvolver capacidades para enfrentar mudanças, tudo de acordo com o Índice Preparação para a mudança 2019 (Change prontiness index 2019, CRI), realizado pela KPMG International.

Em sua quarta edição, o CRI classifica 140 países em termos de eficácia com a qual eles se preparam e respondem a grandes eventos de mudança. Esta edição do relatório se concentra diretamente nos recursos necessários para lidar com mudanças e mitigar os riscos associados, com base em três pilares principais de capacidade: empresas, governo e pessoas e sociedade civil.

Jesús Luna, parceiro líder de consultoria em auditoria interna, risco e conformidade da KPMG no México: “A mudança climática é um dos problemas mais prementes que enfrentamos como sociedade global. Nosso relatório de 2019 demonstra que não existe uma abordagem única para a resposta oportuna às mudanças e, de fato, mostra que hoje muitas economias dependem de um único segmento da sociedade, seja empresarial, governamental ou sociedade civil, assumindo a responsabilidade por preparação para a mudança, mas isso não produz os melhores resultados a longo prazo. A verdadeira preparação é quando cada segmento trabalha em harmonia em direção a um resultado compartilhado ”.

Países melhor preparados para a mudança global

Os dez países com o melhor desempenho do CRI permanecem praticamente inalterados em relação ao relatório de 2017, com exceção da Noruega, que passou do 11 para o sexto lugar, para substituir a Finlândia entre os dez primeiros. O Reino Unido permaneceu entre os 10 primeiros e subiu para o oitavo desde o décimo, apesar da crescente incerteza política que existe após a decisão deste país de deixar a União Europeia.

A União Europeia tem desempenho acima da média mundial em sustentabilidade ambiental em comparação com outras regiões. No entanto, o CRI 2019 descobriu que o setor financeiro da Europa está ficando abaixo da média mundial. Os Estados Unidos estão no topo da lista na preparação do setor financeiro para mudanças, com a América do Norte como a líder mundial clara na adoção de novas tecnologias.

Os 20 principais países mais bem preparados para a mudança

Países e jurisdições com a classificação mais alta (com alteração na classificação a partir de 2017):



Economias menos maduras: com duplo risco contra as mudanças climáticas

Os países europeus lideram o caminho para a sustentabilidade dos negócios, que analisa o papel do setor privado para enfrentar o desafio da preparação nacional e a resposta às mudanças climáticas e à degradação ambiental. As medidas para a sustentabilidade dos negócios incluem as emissões de CO2 por unidade de produto interno bruto (PIB) e a proporção de Energias Renováveis ​​em uso por país.

O CRI 2019 também revela que os mais suscetíveis a riscos climáticos são principalmente países de renda baixa e média-baixa. Os países mais pobres enfrentam um duplo desafio às mudanças climáticas: um maior risco dos impactos negativos que gera e uma capacidade reduzida de implementar políticas e instituições prontas para enfrentá-las.

“É necessário que empresas, sociedade civil e instituições governamentais comecem a trabalhar juntas em estratégias que respondam à crescente ameaça das mudanças climáticas. Somente assim podemos estar preparados para as consequências das ações humanas sobre a natureza, sendo resilientes e desenvolvendo capacidades adaptativas nesta nova era ”: Jesús Luna, sócio líder de auditoria interna, consultoria de risco e conformidade da KPMG.

O relatório

O Índice de Preparação de Mudanças abrange 140 países e jurisdições. O CRI está estruturado em torno de três pilares (capacidade empresarial, governo e pessoas e sociedade civil), que representam o potencial subjacente de um país para gerenciar mudanças. O CRI é baseado em extensa pesquisa e análise, com base em dados de fontes primárias e mais de 1.400 especialistas e fontes secundárias, incluindo o Fórum Econômico Mundial, o Fundo Monetário Internacional do Banco Mundial e as Nações Unidas. Para mais informações sobre a metodologia, visite.

Costa Rica.

Postar um comentário

0 Comentários