Interesse crescente em painéis bifaciais na América Latina

Kaushik Roy Choudhury - Imagem: DuPont

Antes da mesa redonda de qualidade da revista fotográfica a ser realizada na Intersolar South America, Kaushik Roy Choudhury, cientista sênior de materiais fotovoltaicos da American DuPont, fala sobre alguns dos problemas de qualidade que afetam o rendimento da energia fotovoltaica na América Latina e outros assuntos que serão discutidos em São Paulo.

Os mercados latino-americanos são caracterizados em muitos casos por condições ambientais muito peculiares. Qual a importância da qualidade dos produtos para projetos solares de grande escala nesses países?

Qualidade é absolutamente importante. Temos a experiência de vender em diferentes mercados mundiais, desde áridos desertos na China a regiões mais temperadas da Europa e América do Norte. A América Latina, em termos de fatores ambientais, é muito semelhante a muitos dos lugares tropicais onde já estamos vendendo nossos produtos. Grandes porções da região recebem muito sol e possuem altos níveis de radiação ultravioleta (UV), altas temperaturas e alta umidade. Esses três fatores estão presentes na América Latina, o que significa que a região não pode prescindir de requisitos de alta qualidade para painéis fotovoltaicos. Outro fator que também desempenha um papel na região é que, sendo um mercado em crescimento, pode haver um risco de falta de regras para garantir requisitos de qualidade.

Um grande desafio em todos os mercados latino-americanos é obter recursos para a construção de projetos de grande escala . Quanto os investidores realmente se preocupam com a qualidade dos projetos?

Tanto na Ásia quanto na América do Norte, como em algumas partes da Europa, a tendência que vemos é que os investidores são cada vez mais inteligentes. Muitos bancos exigem projetos para usar os módulos fotovoltaicos que constam de sua lista de produtos bancáveis ​​e que foram examinados em testes de confiabilidade realizados por institutos independentes. Estou certo de que o mesmo está sendo feito na maioria dos mercados latino-americanos.

Quão importante é ter um histórico de falhas e problemas de qualidade para esses mercados? A DuPont está coletando dados para essas regiões?

Globalmente, temos, em termos de módulos instalados, mais de 2 GW de dados. A quantidade de dados que temos sobre a América Latina, diretamente ou através dos dados fornecidos por nossos colaboradores, é menos comparada ao resto do mundo, mas estamos planejando expandir nosso programa de testes de campo nessa região. No entanto, acreditamos que as áreas tropicais do sudeste da Ásia são muito semelhantes a algumas partes da América Latina em termos de impacto ambiental no desempenho de módulos fotovoltaicos.

Quais são os problemas mais comuns com módulos solares nesse tipo de ambiente?

Uma radiação ultravioleta alta para qualquer uma das áreas ao redor do equador. Além disso, dada a variação da terra na América Latina, um dos principais fatores que podem causar perdas são os ciclos de temperatura diurna e sazonal, que podem causar estresse mecânico e enfraquecer os materiais poliméricos. Embora as células solares agora sejam bastante padronizadas, os desenvolvedores também devem considerar a degradação induzida pela luz (DID) e a degradação induzida pela luz e a alta temperatura (LeTID) como uma fonte potencial de degradação do painel. As soluções para essas perdas agora estão sendo encontradas no nível da célula, mas, quanto aos painéis, enfatizamos muito os materiais de embalagem, isto é, tudo o que protege as partes eletricamente ativas do ambiente e as mantém ativas por uma vida útil de 25 a 30 anos. A irradiação UV pode desempenhar um papel na degradação de materiais poliméricos. 

Além disso, ciclos de temperatura grandes e frequentes, combinados com altas doses de UV, podem levar à perda de propriedades mecânicas dos materiais da camada inferior, o que pode causar delaminação e rachaduras. Deste ponto de vista, as folhas traseiras resistentes a UV e temperatura são um elemento importante. eles podem levar à perda de propriedades mecânicas dos materiais da camada inferior, que por sua vez podem causar delaminação e rachaduras. Deste ponto de vista, as folhas traseiras resistentes a UV e temperatura são um elemento importante. eles podem levar à perda de propriedades mecânicas dos materiais da camada inferior, que por sua vez podem causar delaminação e rachaduras. Deste ponto de vista, as folhas traseiras resistentes a UV e temperatura são um elemento importante.

Estamos vendo um interesse crescente por módulos bifaciais na América Latina. Você acha que essa tendência vai continuar?

Absolutamente. Dado o aumento da eficiência energética, a tendência geral para os próximos cinco anos será um grande aumento na participação de mercado dos painéis bifaciais em todo o mundo. A América Latina está se recuperando neste momento e acredito que a tecnologia bifacial também terá mais difusão na região. Simplesmente favorece a economia dos projetos.

Como o mercado a curto e médio prazo será dividido entre painéis de vidro e módulos de vidro?

Como todos sabemos, até agora, os painéis de vidro e vidro eram mais ou menos a única opção nessa área. No entanto, vimos um aumento na demanda por módulos bifaciais com folhas subsequentes no último trimestre e acreditamos que essa tendência continuará no futuro. Devido a essa crescente demanda por painéis bifaciais, os fabricantes de módulos de vidro e vidro enfrentam para vários assuntos. Alguns deles terão dificuldades para aumentar as capacidades com rapidez suficiente para atender à demanda. O aumento da demanda aumentará os preços dos módulos de vidro e vidro à medida que a oferta diminuir. Além disso, os fabricantes de módulos que desejam converter suas linhas de fabricação de painéis monofaciais em tecnologia de vidro duplo bifacial terão que enfrentar custos significativos de investimento e produção. Módulos com uma folha traseira transparente funcionam bem como vidros duplos e podem oferecer economia nos custos de instalação. Além disso, eles são muito mais fáceis de se adaptar às linhas de fabricação existentes.

Postar um comentário

0 Comentários