TMW Energy terá as maiores usinas fotovoltaicas GD do Brasil construídas com painéis fotovoltaicos nacionais

Com capacidade instalada de 4,75 MWp e sob o regime de "Geração Compartilhada", será uma das cinco maiores usinas fotovoltaicas do Brasil em Geração Distribuída, a maior do Estado de São Paulo e a maior do país construída com painéis fotovoltaicos nacionais.

TMW Energy

O Royal FIC Group, um dos maiores distribuidores de combustíveis fósseis do Brasil, investirá aproximadamente R$ 21 milhões (cerca de 5 milhões de dólares) na instalação de uma usina fotovoltaica da TMW Energy, uma empresa de energia renovável e sustentável pertencente à Royal FIC O grupo está construindo em Campinas e estará operacional antes do final do ano.

Com capacidade instalada de 4,75 MWp e capacidade de geração de 7.318.000 kWh por ano, será a maior do Estado de São Paulo e uma das cinco maiores usinas solares do Brasil no âmbito da Geração Distribuída (GD) . Além disso, é o maior do gênero no Brasil construído com painéis fotovoltaicos nacionais: em uma área de aproximadamente 80.000 m² localizada em Campinas (Estado de São Paulo), estão sendo instalados 14.400 módulos fotovoltaicos de 330 kWp fornecidos pela BYD Brasil, que em 2017 inaugurou sua fábrica de módulos fotovoltaicos em Campinas. A planta será construída pela Alsol Energias Renováveis, empresa do Grupo Energisa.

O modelo de negócios adotado será a Geração Compartilhada, uma forma de geração distribuída contemplada pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). Nesse sistema, conhecido como B2B ("business to business"), os clientes formam um consórcio e investem nas taxas de aluguel da usina fotovoltaica em troca de descontos na conta de luz. A economia gerada pode variar entre 10% e 20%.

Para Eduardo de Mello e Lima, gerente de projetos da TMW Energy, as vantagens vão além da redução da fatura. “Nesse modo, os clientes não precisarão fazer investimentos com painéis fotovoltaicos nos telhados de suas empresas e não terão que pagar os custos de operação e manutenção da planta. Vamos financiar isso. Ao alugar as taxas, os clientes não sofrerão com a variação de bandeiras (verde, amarela e vermelha) em suas contas, e o reajuste do contrato é listado pelo IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado), índice inferior ao reajuste energia, que no ano passado foi em média 8,66% nas tarifas da CPFL São Paulo, distribuidora de nossa faixa de operação ”, explica.

Postar um comentário

0 Comentários