Todos os segredos da maior usina solar da Argentina

Em conversa com a revista pv, o gerente de projetos da Cauchari Solar, Guillermo Giralt, revelou quais inversores e módulos estão sendo usados ​​para a maior usina solar da Argentina. Mais de 80% da planta já foi construída e sua conclusão está prevista para o final de novembro.

No início de março, mais de 1.180.000 módulos fotovoltaicos já haviam sido instalados no parque solar Cauchari, em Jujuy. - Foto: Ministério da Energia da Argentina

Durante a feira Intersolar South America, realizada há duas semanas em São Paulo, Brasil, a revista pv teve a sorte de conversar com Guillermo Giralt, gerente de projetos da Cauchari Solar, empresa com fins específicos de propriedade da Jemse SE (Energy Society e Jujuy Mining), que também é proprietária do maior projeto fotovoltaico da Argentina, a usina solar Cauchari de 500 MW.

A usina, que está sendo construída em duas fases de 300 MW e 200 MW, respectivamente, está sendo financiada em 85% com fundos do Banco de Exportação e Importação da China, estatal chinês, e com um título de US$ 210 milhões que a província argentina de Jujuy emitido em meados de setembro.

"Estamos com mais de 80% de progresso e planejamos concluir a conclusão da planta em 2 de outubro", afirmou Giralt. "Então, iniciaremos a fase de pré-comissionamento e a conexão de rede está prevista para o final de novembro", acrescentou.

Segundo Giralt, além disso, a empresa está encerrando a parte de papéis e autorizações para a expansão de 200 MW do projeto. "Deveríamos começar a construção no segundo trimestre do próximo ano", explicou ele, especificando que está sendo avaliado se os sistemas de armazenamento serão adicionados, mesmo que não sejam necessários. "Também estamos estudando a tecnologia solar térmica CSP para melhorar a qualidade da linha e não correr o risco de qualquer tipo de desconexão", afirmou.

Inversores Huawei

Para o projeto, foram utilizados inversores de cadeia do fabricante chinês Huawei. "Existem muitas razões técnicas e logísticas pelas quais escolhemos investidores desse tipo", explicou Giralt. "Fundamentalmente, a fábrica é feita a 4.200 metros acima do nível do mar e a três horas e meia de San Salvador de Jujuy, que é a cidade mais próxima." O único caminho para chegar à fábrica também é bastante complicado. e a manutenção de inversores centrais para 300 MW de energia solar precisaria entre seis e oito pessoas, que precisariam estar lá todos os dias. "Os investidores centrais são artefatos muito sofisticados que apenas pessoas muito especializadas podem lidar e profissionais desse tipo não vão morar em locais como aquele onde o projeto Cauchari está sendo realizado", acrescentou Giralt. Então A idéia era ter investidores que permitissem operações de manutenção com pessoas com pouco treinamento. "Em oito minutos, duas pessoas podem trocar um inversor de string", continuou ele.

O editor da revista PV, Emiliano Bellini, e o gerente de projetos da Cauchari Solar, Guillermo Giralt.
Imagem: pv magazine

Além disso, a planta está sendo construída com mais de 4 mil metros de altura, onde há uma quantidade menor de oxigênio. Que poderia determinar problemas de -rating des , como Giralt. Toda a parte eletrônica dos inversores da Huawei é selada e toda a parte de energia possui ventilação natural. "Estes são inversores muito bem preparados para manter baixas temperaturas na parte elétrica, sem a necessidade de ventiladores", acrescentou. Assim, embora o parque solar esteja a 4 mil metros de distância, os investidores não têm problema de desclassificar e gastam menos energia refrigerando as unidades de energia. Isso, segundo ele, significa um desempenho melhor que superior a 3%. "E isso nos faz ganhar muito mais dinheiro", disse ele também.

Painéis policristalinos Talesun

Os 300 MW da instalação serão gerados por painéis policristalinos PERC fornecidos pelo chinês Talesun, que também participa do projeto com uma participação de propriedade. Estes são 72 painéis de células de 330 watts cada. O local do projeto possui uma irradiação de 1.000 a 1.200 horas, com temperaturas próximas a 0 graus. O que faz com que os painéis tenham melhor desempenho. A possibilidade de utilização de painéis bifaciais não foi levada em consideração, pois o projeto não permite gerar mais energia que 500 MW. "A linha tem um limite térmico de 750 MW, então teremos 515 MW e 212 MW de outro projeto que a Neoen está realizando", concluiu Giralt.

A primeira fase de 300 MW do projeto foi selecionada pelo governo argentino na primeira rodada do programa RenovAr para renováveis ​​em larga escala. Esta seção da usina venderá eletricidade à Companhia de Administração do Mercado de Atacado de Eletricidade (CAMMESA) a um preço de US$ 60 por MWh sob um PPA de 20 anos.

Postar um comentário

0 Comentários