Construindo o novo leilão renovável da Colômbia

O diretor executivo da revista PV, Eckhart Gouras, conversou com Carolina Obando, especialista em assuntos regulatórios da associação colombiana de energia renovável, SER Colombia, para discutir os detalhes do próximo leilão de energia limpa do país. O concurso promete impulsionar uma indústria solar com um portfólio de projetos de 4,3 GW.

A diretora da revista PV, Eckhart Gouras, com Carolina Obando no escritório da SER Colombia em Bogotá. - Eckhart K. Gouras / revista pv

Eckhart Gouras, diretor executivo da pv magazine , esteve na sexta-feira passada no centro de Bogotá para conversar com a associação colombiana de energias renováveis, SER Colombia, sobre o primeiro leilão de energia limpa do país .

A entrevista com a especialista em regulamentação do SER, Carolina Obando, ocorreu no escritório da associação no WeWork e o fato de o SER usar o WeWork é indicativo de duas coisas. Primeiro, mostra que a associação, fundada em março de 2016, ainda é muito jovem e, em segundo lugar, que o setor de energia renovável colombiano está em uma fase de desenvolvimento muito rápida, especialmente para energia solar . De fato, dos 6,2 GW de projetos já aprovados pelas autoridades colombianas, 4,3 GW são para projetos fotovoltaicos e 1,8 GW são para usinas eólicas.

Dirigida por Germán Corredor, a associação, que atualmente possui 25 membros, está crescendo e o espaço de escritório flexível oferecido pela WeWork é uma solução óbvia. Também é muito provável que, após a conclusão do primeiro leilão, a SER Colômbia se expanda ainda mais.

Segundo Carolina Obando, o sistema de leilão ainda não estava bem definido quando a UPME (Unidade de Planejamento de Mineração de Energia), um departamento do Ministério de Minas e Energia que em fevereiro tentou realizar a licitação, que logo depois foi cancelada. A UPME, de fato, terminou sem selecionar nenhum projeto e adiou o concurso inicialmente para junho e depois para 30 de setembro.

Vários compradores

Obando explicou que o sistema de leilão de energia renovável da Colômbia tem características muito peculiares, já que o principal objetivo é vincular os fornecedores de energia renovável às empresas nacionais de distribuição de eletricidade que atuam como compradores da energia gerada. No entanto, não é fácil combinar o lado da oferta com as inúmeras entidades do lado da demanda, em vez de uma única empresa nacional de eletricidade. Quando vários compradores precisam se envolver em um processo de licitação renovável, sua realização se torna ainda mais complicada.

Segundo Obando, em fevereiro simplesmente não havia incentivo para que isso acontecesse. O difícil trabalho da SER Colômbia e do ministério levou a melhorias substanciais no mecanismo de leilão, o que inspira otimismo em relação aos resultados do concurso a ser realizado neste outono. Obando também prevê que outro leilão possa ser realizado no próximo ano e com um portfólio de projetos de 4,3 GW, o site poderá permitir que o mercado colombiano alcance um nível internacional.

Uma das alterações feitas nos termos do leilão foi a extensão dos CAE para 15 anos, em vez dos doze inicialmente planejados. Essa mudança é muito importante para a SER, que possui vários desenvolvedores internacionais associados, que frequentemente cooperam com empresas colombianas. De fato, era mais importante para os membros do SER estabelecer um mandato de 15 anos do que estabelecer um pagamento em dólar pelo sub-imposto. Ser pago em pesos representa um risco significativo, mas a economia colombiana recentemente fez grandes progressos para tornar menos provável o espectro de desvalorização da moeda nos próximos anos.

Obrigação de comprar energia verde

No entanto, a alteração mais promissora das regras do leilão foi a decisão de ordenar às autoridades locais a compra de energia limpa, mesmo que não participem da licitação. Os governos locais não são contra as energias renováveis, mas são avessos ao risco e evitam novas empresas de geração de energia em favor de fornecedores de energia bem estabelecidos.

No entanto, a ministra de Minas e Energia, Maria Fernanda Suárez, é uma pessoa que assume riscos e está pronta para mudar isso e desenvolver o mercado de eletricidade, aumentando o papel das energias renováveis, segundo Obando. O objetivo de curto prazo é atingir 1,5 GW de capacidade de energia renovável até 2022, um grande salto para uma nação com apenas 80 MW de capacidade instalada atualmente. Por que 2022 Este é o último ano do mandato do Presidente Iván Duque Márquez.

Para participar do leilão, os projetos de energia limpa devem ser registrados na UPME. Entre os principais problemas técnicos, o mais complicado é garantir a permissão para o ponto de conexão. Como explicou Obando, a rede do país não cobre vastas áreas do leste da Colômbia e deve ser ampliada e melhorada. Isso representa um gargalo para desenvolvedores interessados ​​em construir usinas fotovoltaicas. A permissão do ponto de conexão, portanto, é "essencial" para os desenvolvedores que desejam ganhar na licitação no próximo mês. Depois que um licitante garante um contrato, outros requisitos, incluindo autorizações ambientais e permissões sociais, relacionados ao emprego local, entram em vigor.

O solar no convés

Os leilões, no entanto, foram concebidos para usinas solares de grande escala, com capacidade superior a 5 MW, e Obando acredita que o potencial de energia solar no país é muito grande para instalações em telhados. Atualmente, é difícil quantificar a capacidade instalada de projetos de geração distribuída na Colômbia, uma vez que sistemas de cobertura menores não estão sujeitos a registro obrigatório. A SER Colômbia, no entanto, está pressionando o governo a mudar isso, uma vez que esses sistemas podem ser úteis para alcançar os objetivos de capacidade.

Obando estima que este ano trará cerca de 200 MW de novas instalações fotovoltaicas. No próximo ano e 2021, ele disse, ele verá um aumento nas instalações impulsionado em grande parte pelos leilões de energia renovável neste ano e no próximo.

Postar um comentário

0 Comentários