Energia solar a US$ 17,30 / MWh no leilão brasileiro: é um recorde mundial?

Diferentes analistas observaram com lupa o resultado do recente leilão A-4 que, em teoria, produziu o menor preço do mundo para a eletricidade solar a partir de um exercício de aquisição de energia. No entanto, as duas usinas em questão venderão 70% e 50% de sua produção fora do contrato de energia assinado no leilão.

O último leilão A-4 do Brasil, realizado em 27 de junho, estrelou a menor oferta de preço de energia já registrada para projetos de energia solar em larga escala em um leilão de energia: os impressionantes US$ 0,0173 / kWh Esse resultado, no entanto, não teve a mesma ressonância que outros registros na América Latina e no Oriente Médio e levantou preocupações no setor solar brasileiro.
A associação nacional de energia fotovoltaica ABSOLAR disse que o leilão produziu preços médios fora dos níveis de referência para a energia solar no Brasil e também destacou os menores volumes de energia solar contratada garantidos pela aquisição, em comparação com os leilões anteriores.
O principal motivo para questionar a validade do “recorde mundial” é o fato de os dois projetos fotovoltaicos em questão venderem pelo menos metade da energia que gerarem ao Mercado Livre de Eletricidade do Brasil - Mercado Livre de Energia Elétrica - onde Geradores e compradores vendem eletricidade no mercado livre a preços não sujeitos às tarifas contratadas no leilão. O registro de preço descendente aplica-se apenas à proporção de energia gerada por cada projeto que é fornecido ao Mercado Regulado de Eletricidade - o Mercado Regulado de Eletricidade.
Os projetos vencedores
Um dos projetos que bateu o recorde foi a instalação solar de 40 MWac em Jaibes, planejada para o estado de Minas Gerais e de propriedade da fabricante canadense de módulos solares canadense Canadian Solar, que ofereceu uma oferta final de BRL 73,60 / MWh (US $ 19,60). No entanto, esse preço afetará apenas metade da energia gerada e o restante será vendido sob um contrato privado de compra de energia de longo prazo a um cliente não especificado, provavelmente a um preço mais alto.
O segundo projeto principal, a usina solar de 163 MWac Milagres para o estado do Ceará, foi selecionado sob uma oferta de BRL 64,99 / MWh (US$ 17,30). Essa usina venderá apenas 30% de sua produção à taxa acordada no leilão, o restante será vendido no mercado de eletricidade livre.
Enquanto os beneficiários que receberem energia a uma taxa baixa ficarão satisfeitos - e o governo se gabar de suas realizações - não está claro se a indústria solar global considerará que US$ 17,30 (US$ 0,0173 / kWh) é um verdadeiro novo marco .
Uma combinação de fatores
Segundo Marcio Takata, CEO da consultoria brasileira Greener, os baixos preços finais foram resultado de um grande aumento na competitividade observada no leilão, em que o volume de geração de energia dos projetos pré-selecionados aumentou de 20 GW no leilão. A-4 do ano passado, com 26 GW. Ao mesmo tempo, a quantidade de capacidade de geração de energia solar alocada foi significativamente reduzida, de cerca de 800 MWac para cerca de 200 MWac.

Marcio Takata, CEO da consultoria brasileira Greener.
Foto: LinkedIn

"Esses dois fatores combinados foram muito importantes para reduções de preços, o que levou as ofertas a serem tão baixas", disse Takata à revista pv. Essas ofertas só eram sustentáveis ​​devido à grande proporção da energia gerada que poderia ser vendida no mercado sem eletricidade, acrescenta. "Isso está dando aos proprietários do projeto a oportunidade de trabalhar com níveis de preços que podem garantir o projeto do banco", disse ele.
Takata acrescentou que o fato de os projetos vencedores do leilão garantirem a prioridade da conexão de rede também permitiu que as taxas de energia fossem mais baixas do que nunca. "Essas instalações têm um prazo de quatro anos para iniciar operações comerciais e agora a prioridade de conexão à rede é muito importante, enquanto projetos que estão planejados para operar exclusivamente no Mercado Livre nunca têm essa certeza", afirmou.
Mas o diretor executivo da Greener não descartou a importância de continuar aumentando a produção de módulos solares cada vez mais eficientes. "A evolução dos módulos solares, mas também da cadeia de suprimentos fotovoltaicos, está permitindo a instalação de mais usinas solares de melhor desempenho com um investimento de capital mais eficiente", afirmou. "A feroz competitividade do leilão e a possibilidade de vender energia fora da PPP do leilão, no entanto, devem ser consideradas as principais razões para as baixas ofertas de compra".
Quando perguntado se a menor oferta poderia ser considerada um recorde mundial, Takata disse que o assunto era controverso. "De fato, é o preço mais baixo para energia solar já registrado no mundo e o menor preço já registrado em leilões A-4 aqui no Brasil", disse ele. “Mas também devemos ter em mente que a maior parte da energia gerada pela usina será vendida ao mercado de energia livre a preços mais altos, o que significa que o preço médio de venda da energia produzida no projeto será significativamente mais alto. alto do que o preço final do leilão."
Quanto à possibilidade de os dois projetos solares selecionados no leilão serem financiados, Takata disse que muito dependerá dos preços no mercado de energia livre; a duração dos contratos que os proprietários do projeto podem garantir; e a qualidade daqueles que os substituem. "A classificação de energia do comprador será crucial na definição de riscos e custos de financiamento", afirmou ele.
Outro fator que pode ter contribuído para a queda nos preços da energia é a possibilidade de os dois projetos não serem inteiramente novos.

Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR.
Foto: ABSOLAR

"Temos informações de que parte dos projetos contratados será a expansão dos projetos existentes", afirmou Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR, imediatamente após o leilão. “Isso tornou possível o surgimento de um preço mais ousado.” Em uma entrevista anterior à revista pv , Sauaia observou que os desenvolvedores do Brasil estavam atraídos pela possibilidade de combinar contratos de leilão com a CCE a preços mais altos no mercado livre. O CEO disse que a combinação já ocorreu na indústria eólica no Brasil. "Isso é ótimo para os financiadores, eles adoram isso", acrescentou Sauaia. “Eles têm uma visão da quantidade de benefícios que obterão por 20 anos. E isso ajuda a financiar o projeto.”
Os desenvolvedores se tornam criativos
Segundo Manan Parikh, analista de energia e energias renováveis ​​da empresa de pesquisa de mercado Wood Mackenzie, o fato de os dois principais projetos venderem 30% e 50% de sua energia através do contrato A-4 colocaria as premissas do Fator de capacidade de cada instalação acima de 28%. “Considerando o fato de que o número total de megawatts-hora oferecido é superior a um período de 20 anos - e incorporando um fator conservador de capacidade atual de 23% - Jaiba e Milagres venderiam 66% e 40 % de sua produção através do PPA, respectivamente ”, disse Parikh à revista pv.
Com os ganhos de eficiência e o uso de módulos bifaciais, é perfeitamente possível que os fatores de capacidade até 2022/2023 atinjam 28% em ambos os projetos, disse o analista da WoodMac, dados os recursos solares de ambos os estados. "Isso significaria que a Jaiba vende apenas metade de sua produção através do PPA, enquanto cada seção da Milagres contribuiria com um terço de sua capacidade para o PPA anual", disse ele.
Quando perguntado se US$ 0,0173 / kWh constitui um recorde mundial, Parikh disse: "Sim, no sentido de que é o menor preço contratado que vimos em uma licitação organizada como a A-4", disse ele, "e não, no sentido de que nem toda a geração será vendida a esse preço.”
O analista disse que a oferta recorde de US$ 18,93 / MWh do México - realizada em leilão em 2017 - também se destinava a um projeto que planejava vender parte de sua energia gerada fora do PPA concedido no ano da licitação: o esquema fotovoltaico Neoen Pachamama.
Parikh disse que o resultado final é que o verdadeiro valor de tais projetos não pode ser quantificado precisamente porque é difícil medir as intenções dos desenvolvedores até que o ativo esteja operando e os compradores sejam revelados, algo que nem sempre acontece. "Mesmo assim, os termos de preço de um acordo bilateral podem ser mantidos em sigilo", acrescentou Parikh.

Postar um comentário

0 Comentários