Pesquisadores dinamarqueses adicionam um pouco de cor ao PV no convés

Cientistas liderados pela Universidade Técnica da Dinamarca iniciaram um projeto para projetar células solares que podem ser produzidas em cores diferentes, com um efeito mínimo em seu desempenho. São células que seriam adequadas para aplicações integradas em edifícios e outras que levem em conta fatores estéticos.
cmart29, pixabay

A Universidade Técnica da Dinamarca (DTU) anunciou planos para um projeto, que envolve parceiros do setor, para desenvolver módulos fotovoltaicos multicoloridos.

O objetivo do projeto é produzir módulos solares para aplicações fotovoltaicas integradas em edifícios (BIPV) que podem ser coloridos para se adaptarem à estética de uma estrutura sem comprometer significativamente o desempenho dos painéis.

"O consumo de energia nos edifícios representa quase 40% do consumo total de energia na Dinamarca", disse o pesquisador da DTU Peter Poulsen. "Portanto, a integração de células solares em materiais de construção é cada vez mais importante no objetivo de se tornar independente dos combustíveis fósseis até 2050".

O projeto servirá para refinar um método desenvolvido pelo fabricante Danish Solar Energy Ltd, que opera uma pequena fábrica no sul do país. A técnica Solar dinamarquesa esconde as células solares atrás de um filme fino e transparente que tem pouco efeito no desempenho e pode ser facilmente colorido.

Uma questão de estética

Para a energia fotovoltaica no telhado e integrada aos edifícios, as preocupações estéticas são um fator que atrasa o seu desenvolvimento, uma vez que os arquitetos desconfiam do uso de materiais que não estão em conformidade com seus princípios de design. Isso levou a módulos de cores diferentes se tornando uma área popular para pesquisa. O Fraunhofer ISE da Alemanha, por exemplo, exibiu seu produto MorphoColor, que pode ser produzido em qualquer cor com uma perda de eficiência relativa de não mais que 7%, na feira PVSEC deste ano.

O projeto DTU também tenta incorporar painéis isolantes coloridos nos módulos como um processo alternativo. "O objetivo é ser capaz de colorir as células solares para que elas se adaptem a praticamente todos os edifícios", disse Poulsen.

Os módulos coloridos serão produzidos e testados em um novo laboratório planejado para o campus da DTU Risø, e os primeiros módulos são esperados no próximo ano. "Na Dinamarca, não podemos competir na fabricação de células solares de baixo custo", acrescentou Poulsen. "No entanto, podemos ajudar a garantir soluções tecnológicas de próxima geração quando se trata de soluções integradas na construção".

Postar um comentário

0 Comentários