XP lança primeiro fundo de estratégia global focado em energias renováveis


Produto, que abraça os critérios ESG e faz parte do grupo Trend de fundos indexados da XP, tem aporte inicial mínimo de R$ 100,00.

A XP Investimentos acaba de lançar o seu primeiro fundo de estratégia global com foco em energias renováveis. O produto, chamado de "Trend Energias Renováveis FIM", acompanha o fundo de índice (ETF) iShares Global Clean Energy (ICLN), gerido pela BlackRock, e se enquadra em critérios ESG - sigla em inglês para Meio Ambiente, Social e Governança.

O investimento inicial mínimo para aplicação é de R$ 100 e o produto, que não tem exposição à variação do dólar, pode ser uma opção de diversificação para a carteira de investidores em geral, não sendo necessário ser qualificado. A taxa de administração vai de 0,5% a 0,7% ao ano e não há taxa de performance. Além disso, o prazo de conversão das cotas resgatadas em dinheiro é de 6 dias.

O ICLN tem como referência o índice S&P Global Clean Energy, que reflete a variação de empresas ligadas à produção de energia renovável. Algumas delas são a americana Plug Power, que produz células de hidrogênio capazes de abastecer motores elétricos, a dinamarquesa Vestas Wind Systems, fabricante de turbinas eólicas, e a chinesa Xinyi Solar Holdings, especializada em insumos para a produção de energia solar. Há, ainda, a neozelandesa Meridian Energy Group, responsável pela produção de energia 100% renovável a partir de fontes solar e eólica.

Em 2020, o iShares Global Clean Energy apresentou um retorno de 141,31%, enquanto nos últimos três anos o ganho acumulado foi de 217,13%.

Na avaliação do responsável pela área de fundos de investimento da XP, José Tibães, os critérios ambientais, sociais e governamentais estão sendo colocados em primeiro plano pelas empresas e, também, pelo universo das finanças. “Essa é uma tese de investimentos que veio para ficar. Cada vez mais se fala em renovação da matriz energética global, com redução no uso de combustíveis fósseis em detrimento de fontes renováveis como energia eólica e solar, por exemplo”, afirma.

Comentários